Emprego na construção cresce em abril

Texto: Redação AECweb

De acordo com o Sinduscon-SP, houve crescimento de 0,85% na abertura de novas vagas formais para o setor

02 de junho de 2009 - O nível de emprego na construção civil brasileira cresceu 0,85% em abril, com a abertura de 18.028 vagas, segundo o levantamento do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) e da FGV Projetos, com base nos dados do Caged/MTE. Praticamente repetiu o desempenho obtido em março, quando cresceu 0,87%, com a criação de 18.341 empregos com carteira assinada.

Ao contrário do que ocorre na indústria, no ano de 2009 o nível de emprego no setor da construção brasileira cresceu 2,63%, com a abertura de 54.761 vagas. Segundo o presidente do sindicato, Sergio Watanabe, “este desempenho ainda deriva de contratos assinados antes da crise e mostra uma recuperação parcial da queda ocorrida em novembro e dezembro do ano passado, quando o setor fechou 109.086 vagas”. No final de abril, o total de empregados pelo setor no Brasil chegava a 2,140 milhões.

Nos doze meses terminados em abril, o emprego no setor registra um crescimento de 7,67%, o que equivale a um saldo positivo de 152.501 novas vagas.

No Estado de São Paulo, o nível de emprego na construção em abril aumentou 1,21%, com a abertura de 7.344 vagas. No final do mês, o total de empregados contratados na construção paulista era de 616 mil, o que significa um aumento de 8,97% no período de 12 meses.

Na maioria das regiões do interior do Estado houve contratação na construção civil, com destaque para São José dos Campos (mais 1.924 trabalhadores, crescimento de 3,52%), Ribeirão Preto (mais 461, elevação de 1,35%) e Campinas (acréscimo de 667 empregados, com alta de 1,1% no mês). Houve demissões em Santo André (menos 168 vagas, queda de 0,58%) e em Bauru (menos 93, declínio de 0,4%).

Na cidade de São Paulo, o crescimento foi de 1,28%, com a criação de 3.765 empregos com carteira assinada. No final de abril, havia 297,3 mil empregados na construção na capital paulista, 9,54% a mais que em abril do ano passado.

Fonte: Sinduscon-SP