Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Empresas vão focar em baixa renda e eficiência

Texto: Redação AECweb

Empreendimentos que se enquadrem no programa Minha Casa, Minha Vida são foco

10 de janeiro de 2011 - Em 2011, o setor imobiliário espera ter um crescimento moderado e oferecer menos lançamentos, de acordo com construtoras e bancos consultados pela Folha.

As empresas pretendem focar empreendimentos que se enquadrem no programa Minha Casa, Minha Vida -unidades de até R$ 130 mil.

Segundo Teotônio Costa Rezende, consultor da vice-presidência de governo da Caixa Econômica Federal, a segunda fase do projeto tem como objetivo lançar 2 milhões de unidades até 2014.

"O grande entrave é viabilizar terrenos com infraestrutura adequada e preço compatível para empreendimentos destinados ao segmento de baixa renda", afirma.

É nessa faixa de valor que a recepcionista de eventos Ivanir Rezende Mota, 44, procura um imóvel em Osasco (Grande São Paulo). "Estou apreensiva com as possíveis mudanças econômicas, mas me tranquiliza já ter a carta de crédito [do financiamento] em mãos", comenta.

Consultores apontam a superação de gargalos como o maior desafio deste ano para construtoras e incorporadoras. "Faltam mão de obra e infraestrutura para sustentar uma expansão maior", cita Ricardo Almeida, do Insper.

"O Brasil precisa formar profissionais qualificados para dar conta de demandas grandes como a da Copa e a das Olimpíadas", opina Tarcisio Souza Santos, economista da Faap (Fundação Armando Álvares Penteado).

Fabio Cury, presidente da construtora que leva seu sobrenome, aposta em um crescimento máximo de 20% no número de lançamentos.

"Não temos estrutura para vender mais que isso. O grande desafio está em vencer os processos construtivos e entregar os empreendimentos no prazo estabelecido", diz.

Eduardo Figueira, vice-presidente de desenvolvimento da imobiliária Fernandez Mera, aposta na formação de pessoas: "Precisamos de uma gestão mais efetiva".

Oferta de Crédito

Os bancos negam mudanças no crédito imobiliário, mas altas na Selic costumam restringir a demanda por financiamento -que subiu 2.781% de 1994 a novembro de 2010 no Brasil (veja nos gráficos), segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

"A lição de 2010 é aprender com os erros, melhorar a eficiência dos processos internos e o treinamento dos funcionários", destaca José Roberto Machado, diretor-executivo de negócios imobiliários do Santander.

Fonte: Folha de S. Paulo - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: