Especial - Os desafios do Brasil nos 6 meses até a Copa

Texto: Redação PE

No dia 12 de junho de 2014, Brasil e Croácia entrarão em campo para disputar a primeira partida da Copa no estádio do Corinthians. Até lá, o governo brasileiro, juntamente com o COL (Comitê Organizador Local), precisa entregar à Fifa os seis estádios que ainda estão em construção - dos 12 que serão utilizados na Copa -, incluindo o próprio estádio paulista, que sediará a abertura.

Além dos palcos das partidas, o país se comprometeu também com obras de infraestrutura e mobilidade urbana. Parte delas está em andamento e, segundo o cronograma divulgado pelo governo no último mês, deverá estar pronta até junho do ano que vem. A outra parte acabou sendo postergada e será entregue somente depois do Mundial por conta de atrasos na execução ou no financiamento dos projetos.

Todas essas obras faziam parte da Matriz de Responsabilidades, um documento assinado por representantes do governo federal e pelos responsáveis de todas as 12 cidades-sede contendo todos os projetos que deveriam ser feitos para a organização da Copa do Mundo no Brasil - incluindo as obras de estádios, aeroportos, portos, hotéis, etc, consideradas o grande "legado" da Copa.

Dos 108 projetos que constavam na Matriz, um total de 22 já foram excluídos da lista porque não ficarão prontos até junho de 2014. Essas obras acabaram entrando no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e, mesmo não sendo entregues para o Mundial, continuarão contando com os incentivos do governo concedidos para as intervenções da Copa do Mundo - isenção fiscal, financiamento público, etc.

Para comprovar que é capaz de realizar grandes eventos como a Copa do Mundo, o Brasil precisará vencer os desafios de finalizar todas essas obras a tempo para o torneio, que receberá 32 seleções e, segundo estimativas do próprio governo, pelo menos 600 mil turistas de todo o mundo.

A preocupação principal da Fifa até agora tem sido com os estádios, já que as outras obras não são consideradas "essenciais" para a realização do Mundial. Ainda assim, o COL promete à entidade "a melhor Copa de todos os tempos" e garante que o país estará devidamente preparado para receber o maior evento esportivo do mundo em 2014.

"A Copa é uma grande oportunidade para a gente mostrar que, além de termos grandes jogadores, nós também somos grandes organizadores e vamos mostrar ao mundo que organizar também é o nosso forte. Faremos dessa Copa do Mundo a mais bonita de todos os tempos", garantiu Ronaldo, ex-jogador da seleção e membro do COL, em visita à BBC em Londres no último mês.

Abaixo, três grandes desafios em infraestrutura que o Brasil terá nos próximos seis meses até a Copa do Mundo.

Mobilidade urbana

Seis meses antes da Copa, o país tem apenas três obras de mobilidade urbana concluídas, em Belo Horizonte, Recife e Salvador, e muitas das 42 em andamento trabalham com prazo apertado, com entrega até maio de 2014, um mês antes da partida de abertura do Mundial. Entre as obras previstas estão VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), BRTs (Bus Rapid Transit), corredores e vias, além de iniciativas em estações, terminais e centros de controle de tráfego.

No último balanço divulgado pelo Ministério do Esporte no fim de novembro, o governo diz que o plano de investimento total para a Copa soma neste momento R$ 25,6 bilhões, com o teto ainda chegando a R$ 33 bilhões. Do montante, R$ 8 bilhões estão destinados a obras de mobilidade urbana. Quanto aos atrasos, alguns são mais significativos, como em Recife, palco de um cenário que se repete em muitas das outras 11 cidades-sede.

As cinco obras de mobilidade urbana na capital pernambucana, orçadas em R$ 1,4 bilhão, já tiveram prazo de conclusão em 2012, 2013 e atualmente têm previsão de entrega para 15 de maio de 2014, menos de 30 dias antes do início da Copa, no dia 12 de junho do mesmo ano.

Em Cuiabá, a principal obra de mobilidade, um VLT orçado em R$ 1,4 bilhão, só terá parte do trajeto de 22 quilômetros entregue antes da Copa, segundo admitiu recentemente o próprio ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Espera-se que a obra reduza em até 12% o número de carros em circulação na capital mato-grossense.

Quanto ao legado do Mundial para a população, as obras de mobilidade urbana previstas na Matriz de Responsabilidades são consideradas as de maior relevância, e os atrasos ou até mesmo exclusões de algumas delas são vistos como falhas pelos críticos que monitoram os gastos públicos. Com 11 obras que não integram mais a lista de exigência de conclusão antes do Mundial, Porto Alegre é a campeã das exclusões. São obras em avenidas, construções de corredores de ônibus (BRTs), melhorias em terminais e na rodoviária da cidade.

Belo Horizonte, Manaus, Curitiba, Brasília, Natal e Salvador também desistiram de obras de mobilidade, mas a mais emblemática é de longe a construção de uma linha de monotrilho em São Paulo, orçada em R$ 1,8 bilhão, e que agora dependerá de outra fonte principal de financiamento para ser concluída. A primeira etapa da Linha 17-Ouro, como é conhecido o projeto, deve ser entregue somente no fim de 2014. Com 7,7 quilômetros de extensão, ligará a Marginal Pinheiros ao aeroporto de Congonhas.

Para o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luís Fernandes, a Matriz de Responsabilidades é um "plano estratégico de investimentos", que vai sendo atualizado com o tempo. "Novas oportunidades surgem, projetos são reavaliados, alguns são incluídos e outros precisam ser retirados", explica em entrevista à BBC Brasil.

Dentre os motivos para excluir uma obra, ele argumenta que, no caso de Porto Alegre, o governo local solicitou a retirada e decidiu optar por uma nova fonte de financiamento."Outras obras não eram tão essenciais para a realização do evento como se pensou, e em alguns casos a obra não ficaria pronta até a Copa do Mundo. Mas nenhuma obras considerada por nós como essencial caiu da Matriz", diz.

Aeroportos

Com o aumento exponencial do número de passageiros domésticos nos últimos dez anos, os aeroportos brasileiros já se encontravam em preocupante situação de gargalo antes de a Matriz de Responsabilidades ser assinada, em 2010.

À frente das obras nos aeroportos em 11 das 12 cidades-sede do Mundial, orçadas em R$ 5,6 bilhões, a Infraero e concessionárias privadas divulgaram no dia 26 de novembro um balanço das intervenções de melhorias e obras de expansão em andamento.

De acordo com os números, o governo já confirma que ao menos quatro aeroportos - Rio de Janeiro (Galeão), Porto Alegre, Curitiba e Fortaleza - não terão todas as obras prontas até a abertura do Mundial.

Das cidades-sede, Recife é a única que não tem previsão de obras aeroportuárias. As melhorias no Aeroporto Internacional Guararapes-Gilberto Freyre, orçadas em R$ 18,5 milhões, foram excluídas da Matriz, assim como a ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, que custaram R$ 228,2 milhões.

Ao menos duas obras de mobilidade urbana excluídas do documento também afetam o setor de forma indireta, no que diz respeito ao acesso aos terminais urbanos: o monotrilho da Linha 17-Ouro, que ligaria a Marginal Pinheiros ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e o VLT-Linha 1, que ligaria o Terminal Asa Sul ao Aeroporto Internacional de Brasília.

Apesar dos contratempos, a Infraero diz garantir que até a abertura da Copa todas as obras serão concluídas. A seis meses do início do Mundial, no entanto, alguns dos atrasos são significativos. Em Curitiba, somente 9,15% da ampliação do terminal de passageiros estão prontos. No Rio de Janeiro, o aeroporto do Galeão, o terminal 2 tem apenas 43,51% de conclusão, e na capital gaúcha os trabalhos só começaram dois meses atrás.

Gustavo do Vale, presidente da Infraero, admitiu no lançamento do balanço que, no caso do Galeão, parte das obras no terminal 1 não serão entregues a tempo, e a capitais do Paraná e Ceará terão apenas 30% dos trabalhos concluídos.Já o balanço atualizado pelo Ministério do Esporte aponta que das 30 intervenções em andamento no setor, dez já foram concluídas e a grande maioria ainda em curso tem prazo de até abril e maio de 2014.

O secretário-executivo da pasta, Luís Fernandes, admitiu à BBC Brasil reconhecer que as obras aeroportuárias são motivo de preocupação, mas aposta no sucesso das melhorias e expansões. "Temos segurança de que estarão prontas para a Copa do Mundo. E nesse terreno tentamos garantir não só a infraestrutura para a recepção de um alto volume de passageiros mas também um conjunto de iniciativas para melhorar a gestão dos aeroportos", afirmou.

Em todos os 11 aeroportos estão previstas obras de expansão ou melhoria dos terminais de passageiros. Em cinco - Belo Horizonte, Curitiba, Natal, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo (Guarulhos) - há também obras em pistas e pátios; e em Salvador uma nova torre de controle será construída.

Para a Infraero, os melhores exemplos de bom andamento das obras são os aeroportos de Brasília (65% de conclusão), o novo aeroporto de Natal, em construção em São Gonçalo do Amarante (71%) - embora as obras de acesso estejam atrasadas; o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo (80%) e o de Viracopos, em Campinas (74%).

Os quatro terminais aéreos foram privatizados e as obras estão a cargo das concessionárias (em parceria com a Infraero) vencedoras dos leilões de licitação.No caso dos aeroportos de Confins (Belo Horizonte) e do Galeão, a Infraero disse, em entrevista recente à BBC Brasil, que um Plano de Ações Imediatas visará "melhorar rapidamente a experiência do usuário na utilização dos aeroportos" através de um "conjunto de investimentos e intervenções operacionais de curto prazo".

Analistas e especialistas do setor, no entanto, temem que essas e outras medidas não passam de uma "otimização do que já existe" e que os aeroportos só conseguirão atender à grande demanda gerada pelo evento graças a esses planos alternativos.

"Eu tenho certeza de que dificilmente essas obras ficarão prontas no prazo. Eu acredito que durante a Copa do Mundo haverá muito trabalho inacabado, mas teremos essa espécie de 'maquiagem', e os turistas não vão perceber. Vamos ver muitos painéis cobrindo áreas do aeroporto, mas nós sabemos que do outro lado está o atraso do que não foi feito", disse o coordenador do Núcleo de Infraestrutura e Logística da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende, em entrevista recente à BBC Brasil.

Hotéis

O setor de hotelaria também é um dos que apresentam desafios para a realização da Copa do Mundo no Brasil.Os dados mais atualizados mostram que, de 16 empreendimentos que conseguiram uma fatia do R$ 1,034 bilhão disponibilizado pelo ProCopa Turismo (linha de crédito especial do BNDES para reformas ou novos prédios), apenas sete já foram concluídos.Mais um tem previsão de conclusão para janeiro de 2014 e outro para maio do mesmo ano, apenas um mês antes do jogo de abertura do Mundial.

Segundo o BNDES o objetivo do ProCopa Turismo é a "modernização e ampliação da oferta hoteleira" no país e a aposta é que haja um aumento de 15% na capacidade até o início da Copa.No entanto, a lista inclui seis hotéis com data de inauguração marcada para os meses seguintes ao evento, e alguns até estão previstos para abril e maio de 2015, quase um ano após o Mundial.

O caso mais notório é o do Hotel Glória, no Rio de Janeiro. O empresário Eike Batista obteve R$ 190 milhões do BNDES para a compra e reforma do hotel que, após a falência de algumas de suas empresas, está em processo de venda e se encontra em situação indefinida.

Entre os sete empreendimentos que já foram inaugurados ou tiveram as reformas concluídas, três estão no Rio de Janeiro, dois na Bahia, um em Pernambuco e um São Paulo.Dos nove empreendimentos restantes na lista dos 16 que receberam recursos do ProCopa Turismo, sete estão no Rio de Janeiro, um no Rio Grande do Sul e um no Rio Grande do Norte.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou ainda em setembro ao portal de notícias UOL que os investimentos no setor hoteleiro devem aumentar a oferta de leitos para turistas que viajarão pelo país, e isso evitaria aumentos abusivos nas diárias durante o evento.

Mas um levantamento feito pela Embratur no início de novembro mostra que algumas diárias no Rio de Janeiro chegam a ser duas vezes e meia maiores do que o preço médio de alta temporada de verão e quase 50% mais elevados do que os praticados durante o Réveillon 2013-2014. Em Porto Alegre, os preços chegam a ser sete vezes mais altos.

De acordo com a pesquisa, a média da diária cobrada para janeiro de 2014, durante o verão carioca, é de R$ 438,03. Para o Réveillon, é de R$ 739,87. Na Copa, R$ 1.105,11.Em algumas cidades, a alternativa aos preços altos dos hotéis são os hostels, que oferecem quartos compartilhados por um valor bem mais acessível.

"Aqui em São Paulo, temos hotéis das grandes redes nacionais e internacionais e temos também várias opções econômicas, com mais de 2.500 leitos em hostels", disse Raquel Verdenacci, coordenadora do Comitê Paulista da Copa, à BBC Brasil.

Além da questão do preço alto, outro desafio que as 12 cidades-sede terão que enfrentar nos próximos meses é o de preparar o setor hoteleiro para receber os 600 mil turistas estrangeiros que são esperados pelo Ministério do Turismo.

Algumas delas já admitem que faltará quartos para suprir a alta demanda. Em recente entrevista à BBC News, o chefe da Secopa-MT (Secretaria Estadual para Assuntos da Copa do Mundo do Mato Grosso), Maurício Guimarães, descreveu um cenário que pode ser comum a outras cidades-sede: "Não haverá quartos de hotel suficientes para os torcedores, mas a cidade dará um jeito."

Fonte: BBC Brasil