Estudo mostra necessidade de evitar desperdício na construção civil

Texto: Redação AECweb

Melhoria envolve conscientização de todos os profissionais envolvidos, desde a fase de planejamento até a execução do projeto, em Santa Catarina

14 de abril de 2011 - Descuidos como excesso de concreto nas vigas ou desperdício de recursos representa um acréscimo de cerca de 30% nos custos das construções e aumenta de 11% a 20% o volume de materiais . Por isso, as empresas de construção civil buscam cada vez mais aumentar a sustentabilidade nas obras. O tema foi objeto de artigo apresentado por aluno e docente do SENAI/SC na última edição no Simpósio Ítalo-Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental.

O trabalho foi baseado no trabalho de conclusão de curso de Roberto Hoeltgebaum para obtenção do grau de Tecnólogo em Gestão Ambiental, e foi apresentado no congresso em parceria com seu orientador, Dr. Joel Dias da Silva, professor da unidade do SENAI em Blumenau. A pesquisa apontou que diversas indústrias do setor tem como oportunidades de melhoria a adoção de metodologia para reutilização ou reciclagem de resíduos das construções. Em muitos casos, também é pequeno o conhecimento sobre as normas técnicas de gestão de resíduos (NBR 15112 a 15116), que poderia minimizar a geração de material residual.

"São várias as causas relacionadas às perdas de materiais. Mas, principalmente, a falta de conscientização e comprometimento dos profissionais envolvidos, desde a fase de planejamento até a execução do projeto", explica Roberto Hoeltgebaum. Segundo o ex-aluno do SENAI, que analisou as práticas de cinco construtoras do município de Blumenau, os materiais que são mais desperdiçados são argamassas de reboco (principalmente durante o sarrafeamento), concreto usinado (durante bombeamento para as lages), blocos de concreto (por descuidos no carregamento) e gesso acartonado (devido a armazenamento disperso).

Na publicação, os autores afirmam que o "desperdício na construção civil é um dos mais sérios redutores da produtividade e causa aumento do ônus da obra. E, evidentemente, causador de impactos ocasionados pelo desperdício de materiais e má gestão dos recursos da construção".

Na opinião de Hoeltgebaum, os resultados obtidos em seu estudo evidenciaram a necessidade das construtoras adotarem melhorias na gestão dos processos, dos projetos e adoção de medidas de correção em cada fase. E, para o gestor ambiental, a solução também passa por medidas como treinamento e conscientização ambiental dos trabalhadores e busca da qualidade no monitoramento das operações.

SENAI Santa Catarina- Entidade integrante do Sistema FIESC, o SENAI Santa Catarina apoia a indústria com a formação de profissionais de nível técnico, superior (com cursos de tecnologia) e pós-graduação. Também oferece cursos de formação de aprendizes, de educação inicial e continuada (qualificação e aperfeiçoamento) e formações sob demanda para empresas e instituições, além de oferecer ensino médio articulado com educação profissional. No ano de 2010, o SENAI de Santa Catarina registrou mais de 90 mil matrículas.

Sua atuação também contribui para o aumento da competitividade da indústria por meio de consultorias a empresas e serviços laboratoriais (avaliação da qualidade e da conformidade, caracterização de matéria prima, ensaios de proficiência e materiais de referência certificada). Ao todo, foram realizados em 2010 cerca de 173 mil ensaios laboratoriais, 108 mil horas de consultorias ambientais, tecnológicas e em gestão, além de contribuir para que 532 indústrias captassem recursos de inovação. | www.fiescnet.com.br

Fonte: Portal Fator Brasil - RJ