Falta gestão empresarial a empreiteiros, diz vice do SindusCon-SP

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

De acordo com Haruo Ishikawa, empresas deveriam qualificar-se em gestão empresarial

17 de maio de 2013 - O vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do SindusCon-SP, Haruo Ishikawa, afirmou que “a grande maioria dos subcontratados tem baixa escolaridade, não se atualiza profissionalmente, não tem conhecimento de gerenciamento de negócios e das Normas Regulamentadoras nem investe em qualificação da mão de obra de seus funcionários”.

A declaração foi feita no debate sobre os caminhos para a qualificação profissional da construção civil no painel “Caminhos para o Planejamento, Gestão e Capacitação Profissional”, que a empresa de consultoria CTE realizou em 14 de maio, no auditório Millenium, com o apoio do SindusCon-SP.

Ishikawa constatou que muitos empreiteiros subcontratados deixam de prever no orçamento itens fundamentais como treinamento, encargos sociais, PPRA (Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais), PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), exames complementares e específicos e equipamentos, tornando-se passíveis de punições. Ele destacou a importância da qualificação em saúde e segurança no trabalho dos subcontratados para evitar ações contra as construtoras e paralisações das atividades no canteiro por decisão da fiscalização.

Segundo ele, estas empresas deveriam qualificar-se em gestão empresarial em entidades como o Sebrae e oferecer a seus trabalhadores cursos de elevação da escolaridade, requalificação profissional e treinamento em normas de saúde e segurança.

O debate aconteceu logo após a palestra “Desafios e caminhos para a qualificação de empreiteiros e profissionais de obras”, proferida por Luiz Augusto Milano, presidente da Matec, e teve também as participações de Mario Rocha Neto, diretor da Rocontec Construções e Incorporações, e de Antonio de Sousa Ramalho, presidente do Sintracon-SP.

O painel foi um dos quatro eventos que farão parte da Agenda Setorial da Construção, do CTE, cujo almeja promover uma reflexão, envolvendo toda a cadeia produtiva, sobre os principais desafios do setor, e apontar caminhos para o aumento da competitividade empresarial, definindo ações setoriais com ênfase na inovação, desempenho, industrialização, sustentabilidade, gestão e qualificação profissional, que resultem no aumento da produtividade na construção.

Fonte: Sinduscon - SP