Ficou mais fácil construir ou reformar sua casa

Texto: Redação AECweb

Reduções de IPI abrangem 30 itens diferentes de materiais e valem pelo prazo de três meses

2 de abril de 2009 - Quem já comprou sua casa e agora quer reformá-la ou tem um terreno e quer construir também foi beneficiado pelo pacote de habitação do governo federal com o anúncio de redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre materiais de construção. As reduções abrangem 30 itens diferentes de materiais e valem desde ontem (1 de abril) pelo prazo de três meses. No varejo, a previsão é de que o corte de impostos possa significar reduções nos preços para o consumidor entre 5% e 8%.

O IPI será reduzido de 4% para 0% na fabricação de cimentos; de 5% para 0% no segmento de tintas e vernizes; de 5% para 0%, nos revestimentos não-refratários; de 10% para 2%, na massa de vidraceiro; e de 5% para 0% nos chuveiros elétricos.

CMN também autorizou uso do microcrédito O presidente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (A namaco ), Cláudio Conz, lembra que outro pleito do setor foi atendido: o de que as operações de microcrédito pudessem ser usadas para compra de material de construção. A medida foi finalmente aprovada no último dia 28 de março pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O processo é feito pelos bancos utilizando 2% do compulsório sobre os depósitos à vista.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Melvyn Fox, disse que a redução do IPI foi bastante positiva, mas não atende totalmente às necessidades do setor: - Vamos continuar negociando, pois queremos outros produtos com redução do IPI e para zero.

O presidente do SindusconRio, Roberto Kauffman, diz que as medidas para facilitar a compra de material de construção são perigosas porque poderiam levar a uma maior favelização da cidade.

- O ideal é que o estímulo se concentre nos imóveis novos - diz Kauffman.

Melvyn Fox, da Abramat, entende que não há relação direta entre o incentivo à compra de materiais e a informalidade nas metrópoles.

No dia 20 de março, a Caixa Econômica Federal adotou novas regras para a compra de material de construção por meio do programa Carta de Crédito FGTS. Entre as novidades, estão a dispensa da garantia de fiança/aval e a ampliação do prazo de amortização, que passou de 96 para 120 meses. Desde novembro passado, o limite de financiamento do Construcard FGTS passou de R$ 7 mil para até R$ 25 mil. A renda máxima para esta modalidade é de R$ 1.900.

Para rendimento superior, há o Construcard Caixa, com recursos do banco.
Existem, no entanto, várias outras alternativas para quem quer tomar financiamento para reformar ou construir. Além do Construcard, existe o João de Barro, convênio entre a Anamaco e o Bradesco. Outra opção é o Banco do Brasil, que oferece o BB Crédito Material Construção.

Fonte: O Globo