Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Financiamento imobiliário continua em alta

Texto: Redação AECweb

Pagamento à vista é a melhor opção para comprar imóvel, mas brasileiros ainda preferem o financiamento.

27 de março de 2012 - De acordo com dados da Câmara Brasileira da Construção Civil, os brasileiros terão cerca de R$ 160 bilhões em crédito imobiliário para adquirir a casa própria ou comprar outro imóvel em 2012. A expectativa é que o montante financie aproximadamente 1,6 milhão de imóveis. “Mesmo sendo apenas estimativas, os números são positivos para o setor”, considera Carlos Samuel Silva Freitas, diretor comercial e de locações da PRIMAR Administradora de Bens, que inaugurou recentemente a sua filial na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

O cálculo com relação ao valor do crédito imobiliário para o Brasil neste ano foi feito com base no saldo de 2011 – que ficou entre R$ 120 e R$ 130 bilhões – e a previsão de crescimento de 20% a 25%. No país os meios de financiamento habitacional mais usados são o FGTS, que possui juros menores, e o Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que usa o dinheiro da poupança. “O SFH é mais utilizado do que o FGTS, mesmo assim os dois recursos são opções importantes para o consumidor, que tem dificuldade de comprar imóveis à vista”, observa.

Não há dúvidas de que a forma mais vantajosa de comprar um imóvel é pagando o valor à vista e em dinheiro. Mesmo com a redução dos juros e o crescimento do acesso ao crédito imobiliário, não existe nenhuma forma de financiamento que seja melhor do que o pagamento em dinheiro. “É necessário ter disciplina para reservar um pouco do salário todos os meses de olho no futuro. A colocação do que foi guardado em aplicações mais conservadoras, como a Poupança, é uma maneira de economizar e juntar o valor necessário para o investimento”, afirma.

O especialista ressalta que o ideal é fazer uma simulação no banco para saber quanto custaria a prestação do imóvel e dar início ao investimento poupando um valor semelhante ao que seria pago nas prestações de um financiamento. Se a família estiver pagando aluguel, uma saída é verificar se o valor pago é o mesmo que seria cobrado ao financiar um imóvel. “Se a resposta for positiva, sem dúvida alguma vale mais a pena pagar algo que um dia será seu do que ficar investindo em uma moradia provisória, sem a garantia de estabilidade”, enfatiza.

Freitas lembra que o financiamento de um imóvel é uma dívida alta e deve sempre ser prioridade – a prestação deve ser paga primeiro do que as outras despesas mensais, especialmente se o orçamento estiver apertado. Este cuidado evita transtornos que podem colocar o investimento em risco. “Na hora de fazer as contas, a quantia para o pagamento do financiamento imobiliário deve ser separada. Para não passar apuros, é recomendado analisar o verdadeiro padrão de vida, para não dar um passo maior que a perna e tropeçar”, avisa o especialista.

Outra dica é ter guardada uma reserva estratégica para utilizar em casos de emergência ou eventualidades, como perda do emprego ou gastos com a saúde. Os imprevistos podem por tudo a perder se não houver precauções. “Este é um compromisso de extrema importância e deve ser honrado ao máximo. Se as prestações começarem a ficar pesadas demais é necessário revisar as despesas e equilibrar o orçamento. São os pequenos gastos que, somados, podem causar um desequilíbrio financeiro na família. Não espere a situação ficar crítica, ao menor sinal de dificuldade é preciso rever as despesas”, evidencia.

O futuro proprietário do imóvel não deve esquecer do sinal de entrada do negócio e que existem outros gastos que são incluídos no valor das parcelas mensais. O seguro de vida e de dados no imóvel correspondem de 7% a 10% do valor da prestação e são obrigatórios. Sem contar que para aprovação do financiamento são cobradas taxas de análise do crédito, avaliação do imóvel, custo do registro do contrato em cartório e o Imposto de Transmissão de Bens Intervivos (ITBI). “Estes tributos de legalização dos documentos custam cerca de 2% do valor total do bem”, acrescenta.

Fonte: Toda Comunicação

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: