Gafisa lidera ranking de construtoras em 2008

Texto: Redação AECweb

Empresa construiu 3,1 milhões de m² no ano passado

13 de março de 2009 - A Gafisa é a empresa que mais construiu em 2008, sendo responsável por 3,1 milhões de m², segundo o 5º Ranking da Construção, divulgado ontem pelo ITCnet. O ranking é composto pelas 100 construtoras com maior quantidade de metros quadrados construídos ou em construção no Brasil, em 2008. As empresas somaram cerca de 45 milhões de m² nos segmentos residencial, industrial e comercial.

O levantamento do ITCnet, que apura e gerencia dados do setor há 30 anos, não considera incorporadoras, nem obras de infraestrutura, como rodovias, usinas e de saneamento básico.

O ranking do segmento residencial considera ainda a atuação regional. Em São Paulo, a líder é a Even, com 1,8 milhão de m². No Rio de Janeiro, o primeiro lugar ficou com a Cyrela Brazil Realty, com 2,5 milhões de m². Em Minas Gerais e Espírito Santo, a liderança é da MRV, com 2,4 milhões de m². Na Região Sul, a primeira é a Criciúma, com 231 mil m². Na Região Centro-Oeste, lidera a Borges Landeiro, com 269 mil m². E na Região Norte e Nordeste, a primeira colocação é do Grupo Capuche, com 1,2 milhão de m².

No segmento industrial, a liderança ficou dividida entre a Racional e a Matec. No segmento Comercial, as primeiras colocadas são a WTorre e a Hochtief.

No ranking total, figuram ainda, entre as dez maiores, a Rodobens, com 1,5 milhão de m²; a Goldfarb, com 1,2 milhão de m²; a Tecnisa e a Schahin, com 1,1 milhão de m² cada; e a Rossi Residencial, com pouco mais de 1 milhão de m².


A quinta edição da pesquisa apresenta números que "explicam boa parte do sucesso do setor de construção civil no Brasil em 2008 e, principalmente, de algumas empresas em particular". Segundo a diretora de Pesquisa e Análise de Mercado do ITCnet, Viviane Guirao, trata-se de um ranking da realidade de como estão ou foram as obras dessas empresas, uma avaliação de como foi o ano delas. "Assim, a concentração de dados de diferentes players do mercado em uma única pesquisa gera uma inédita e exclusiva forma de mapear o setor", justifica.

Projetos suspensos
Segundo Viviane, o primeiro bimestre de 2009 dá continuidade à suspensão de lançamentos iniciada no último trimestre do ano passado. "O segmento industrial já registra uma redução de 25%, principalmente para projetos acima de R$ 10 milhões", afirma. "E os lançamentos residenciais recuaram 30%, mas não há cancelamentos e, sim, adiamentos."

Para o presidente do ITCnet, Guillermo Guirao Vidal, a crise poderá tornar-se uma ótima oportunidade para os consumidores. Além disso, para ele, "nos próximos meses, a criatividade e o esforço dos empresários brasileiros produzirá efeitos positivos". "O brasileiro está acostumado a entrar e sair de crises", lembra Vidal.

Gazeta Mercantil, 13/mar