Governo quer verba para mais 20 favelas

Texto: Redação AECweb

Projeto estadual prevê obras de R$ 1,3 bilhão na Penha, no Lins e em comunidades atendidas pelas UPPs

05 de setembro de 2009 - De olho em novos recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Empresa de Obras Públicas (Emop) prepara um pacote de intervenções urbanísticas e de saneamento para pelo menos 20 favelas das zonas Sul, Norte e Oeste.

O lote inclui comunidades que receberam recentemente Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs) — como Batam, Cidade de Deus, Chapéu Mangueira e Babilônia — e também as que compõem os complexos da Penha e do Lins.

O pedido de recursos para as intervenções nas comunidades, que já está sendo chamado de PAC 2 das favelas, foi apresentado à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pelo vice-governador Luiz Fernando Pezão, durante visita às obras do PAC no Complexo do Alemão, na sextafeira passada.

A visita da ministra aconteceu poucas horas antes de o Rio ser escolhida cidade-sede das Olimpíadas de 2016. Segundo o vice-governador, as comunidades do novo pacote consumiriam cerca de R$ 1,3 bilhão em recursos federais e estaduais. O montante é semelhante ao que estado e União já investem nas obras do PAC iniciadas no ano passado (de R$ 1,4 bilhão).

Pelo projeto, as favelas passariam por obras de requalificação semelhantes às que já vêm sendo feitas em Manguinhos, Rocinha, Alemão e PavãoPavãozinho. Os projetos prevêem novas redes de drenagem, saneamento, abastecimento de água e iluminação pública, além da abertura de ruas e reassentamento de famílias em áreas de risco.

Está sendo estudada ainda a implantação de um teleférico ligando as favelas do Complexo da Penha à estação de trem do bairro, operada pela Supervia. O projeto do teleférico seria nos mesmos moldes do que está sendo construído no Alemão.

Uma das estações seria erguida nas imediações da Igreja de Nossa Senhora da Penha.

O vice-governador explicou que as favelas que serão beneficiadas pela PAC 2 já vêm sendo visitadas por técnicos da Emop para delinear os detalhes das obras. O objetivo é ter tudo pronto até dezembro, quando Dilma Rousseff começará a receber novos pleitos de inclusão de projetos no PAC.

“Durante a visita, a ministra disse que receberá os pleitos em dezembro porque quer ver primeiro como será a arrecadação da União em outubro e novembro. Não tratamos de valores com ela, mas estimamos o novo pacote em R$ 1,3 bilhão”, explicou Pezão.

Obras em andamento já consumiram R$ 600 milhões Ainda de acordo com vicegovernador, o estado trabalha com um cronograma de início das obras em 2010 e prazo máximo de execução de três anos.

As novas obras ficariam prontas, portanto, antes da Copa do Mundo de 2014. O PAC de Manguinhos, Alemão, Rocinha e Pavão Pavãozinho ficam prontos até outubro do ano que vem.

Segundo Pezão, essas frentes de obras estão, em média, 36% prontas. Dos R$ 1,4 bilhão, já foram gastos R$ 600 milhões.

Obra emblemática do PAC no Alemão, o teleférico de seis estações fará a integração das favelas da região com a linha férrea na altura da Praça das Nações, em Bonsucesso. O sistema, que terá estações nos morros do Adeus, da Baiana, do Alemão, no Itararé e na Fazendinha, será operado pela Supervia, segundo a Emop.

O percurso entre Bonsucesso e Fazendinha terá 3,5 mil metros e será percorrido em 19 minutos. O teleférico terá 152 gôndolas, cada uma com capacidade para transportar 16 pessoas (oito sentadas e oito de pé). A previsão é transportar por dia cerca de 30 mil passageiros. Todas as estações terão acessos por ruas, que serão abertas ou alargadas.

Segundo Luiz Fernando Pezão, até o fim do ano que vem todas as obras do PAC deverão estar prontas. No Alemão, a próxima intervenção que será inaugurada será uma escola técnica.

Em novembro próximo, está prevista a entrega de 192 apartamentos de um conjunto habitacional na favela Nova Brasília e uma UPA na Avenida Itararé, em Bonsucesso.

Em meados do ano que vem, serão inaugurados um conjunto habitacional no terreno onde ficava a antiga fábrica da Poesi e uma escola de ensino médio, também na Avenida Itararé. Já o teleférico tem previsão de entrega para setembro de 2010. Os testes para ajustes do sistema começam em abril.

Fonte: O Globo-RJ