IGP-M, que reajusta o aluguel, desacelera e mercado reduz projeção para o IPCA

Texto: Redação AECweb

Nos últimos 12 meses encerrados em maio, o IGP-M acumula alta de 9,77%, ante 10,60% registrados no mês anterior

01 de junho de 2011 - O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), utilizado para reajustar a maioria dos contratos de aluguel, subiu 0,43% em maio, depois da taxa de 0,45% registrada em abril, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta segunda-feira. A desaceleração, mais forte do que os analistas esperavam, coincidiu com a redução da projeção para inflação feita pelo mercado, divulgada também nesta segunda-feira no boletim Focus do Banco Central.

O mercado reduziu sua estimativa para o IPCA de 2011 pela quarta semana consecutiva, de acordo com o Focus. A projeção caiu para 6,23%, ante 6,27% na semana anterior. Para 2012, o prognóstico da inflação pelo IPCA foi mantido em 5,10%.

Nos últimos 12 meses encerrados em maio, o IGP-M acumula alta de 9,77%, ante 10,60% registrados no mês anterior. No ano, a expansão chega a 3,33%. Analistas consultados pela agência Reuters esperavam avanço de 0,58% em maio, segundo a mediana das projeções.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) avançou apenas 0,03%, ante 0,29% no mês passado. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,90%, frente a 0,78% em abril. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) acelerou a alta para 2,03%, comparado a 0,75% antes.

As mercadorias que mais influenciaram para o crescimento do índice no mês de maio foram: minério de ferro (9,30%), cana-de-açúcar (12,28%), batata-inglesa (26,52%), gasolina (4,08%) e leite tipo longa vida (4,60%). As altas nos custos de contratação da construção civil com maior contribuição para o índice foram os gastos para manter um pedreiro, que subiram 3,72%, e o custo de um servente de obra que aumentaram 3,79%.

No outro lado, os produtos que tiveram as maiores quedas nos preços foram: algodão em caroço (-27,67%), laranja (-25,03%), laranja-lima (-19,87%), e aves (-3,65%). Na construção civil, as maiores deflações foram nos custos de vergalhões e arames de aço ao carbono (-0,94%) e placas cerâmicas de revestimento (-0,58%).

O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Fonte: O Globo