Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Índice da construção civil desacelera a 6,13% em 12 meses, diz IBGE

Texto: Redação AECweb

Dado é de outubro; sobre setembro, contudo, índice avançou a 0,38%. Custo nacional da construção por metro quadrado ficou em R$ 805,67.

11 de novembro de 2011 - Apesar de ter avançado em outubro sobre setembro, a 0,38%, o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) desacelerou em 12 meses, para uma taxa de 6,13%, abaixo dos 6,26% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores, aponta nesta sexta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apenas em outubro sobre setembro, a alta foi de 0,19 ponto percentual, sendo que no mês anterior o resultado havia sido de 0,19%.

Em relação a outubro de 2010 (0,51%), a diferença foi de 0,13 ponto percentual. Considerando os meses de janeiro a outubro de 2011, a taxa de 5,13% está abaixo de igual período de 2010, quando havia ficado em 6,34%.

O custo nacional da construção por metro quadrado passou de R$ 802,66 em setembro para R$ 805,67 em outubro, sendo R$ 445,31 relativos aos materiais e R$ 360,36 à mão de obra, diz o IBGE.

A parcela da mão de obra subiu a 0,40%, alta de 0,15 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,25%). Os materiais subiram 0,21 ponto percentual, de 0,15% em setembro para 0,36% em outubro.

No ano, a mão de obra subiu 8,71% e os materiais registraram alta de 2,40%. Os acumulados em 12 meses foram de 9,80% e 3,35%, respectivamente.

Regiões

A região Norte, com alta de 1,96%, ficou com a maior variação, pressionada pelos reajustes salariais no Pará e Roraima. As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 0,52% (Centro-Oeste), 0,26% (Sul), 0,26% (Nordeste) e 0,11% (Sudeste).

Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 842,01 (Sudeste); R$ 818,08 (Norte); R$ 807,11 (Centro-Oeste); R$ 801,76 (Sul) e R$ 759,41 (Nordeste).

Devido à pressão exercida pelo reajuste salarial decorrente de acordo coletivo, Pará registrou a maior taxa mensal, 4,12%.

Fonte: G1


 

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: