Índice de custos da construção civil cai em janeiro

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Os dados são do SindusCon-SP e da FGV

foto de uma escavadeira em um ambiente aberto e ensolarado
O CUB representativo da construção paulista (R8-N) ficou em R$ 1.912,53 por metro quadrado em janeiro (Foto: Smileus/Shutterstock)

02/02/2023 | 11:20 –  Segundo a apuração do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), o Custo Unitário Básico (CUB) global da indústria da construção do Estado de São Paulo registrou variação negativa de -0,06% em janeiro de 2023.

Leia também

Imóveis residenciais ficaram 15,06% mais caros em 2022
Taxa de juros elevada é a principal preocupação dos empresários da construção
Construção civil em Brasília se anima com a retomada de obras

O CUB é o índice oficial que reflete a variação dos custos das construtoras, calculado a partir da média entre custos com administrativo (salário dos engenheiros), mão de obra e materiais. O levantamento, além de apurar o resultado relativo a cada um dos subíndices, ainda disponibiliza o valor relativo ao acumulado nos últimos 12 meses — que, em janeiro de 2023, alcançou a marca de 8,67% de alta acumulada.

No primeiro mês do ano, tanto a variação com custos com administrativo quanto a variação com custos com mão de obra foram nulas. Em 12 meses, por sua vez, o acumulado foi de 9,91% e 10,34%, respectivamente. Os custos com materiais, por outro lado, tiveram variação de -0,15% no mês e 6,48% em 12 meses.

O CUB representativo da construção paulista (R8-N) ficou em R$ 1.912,53 por metro quadrado em janeiro.

Com desoneração

Nas obras incluídas na desoneração da folha de pagamentos, o CUB registrou variação negativa de 0,07% em janeiro. Em 12 meses, a variação foi de +8,51%. Assim, o custo médio da construção paulista (R8-N) subiu para R$ 1.787,02 por metro quadrado em janeiro.

Em janeiro, na comparação com o mês anterior, as variações dos custos médios das construtoras com mão de obra e administrativo foram nulas, ao passo que, com materiais, foi de -0,15%. As variações em 12 meses no período foram, respectivamente, 10,25%, 9,91% e 6,48%.

Para conferir a íntegra da pesquisa, clique aqui: sem desoneração e com desoneração.