Índice Nacional da Construção Civil registra 0,20% em agosto

Texto: Redação AECweb

De acordo com números do IBGE, índice atual apresentou recuo de 1,08 ponto percentual, se comparado com agosto de 2008

11 de setembro de 2009 - O Índice Nacional da Construção Civil foi de 0,20% em agosto, com queda de 0,28 ponto percentual em relação a julho (0,48%.).

Dados divulgados nesta quinta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que comparando com o resultado de agosto do ano passado (1,28%), o índice atual apresentou recuo de 1,08 ponto percentual.

No ano, o índice acumula alta de 4,3%, bem abaixo dos 7,72% observados em igual período do ano passado. O resultado dos últimos 12 meses ficou em 8,26%, também inferior aos 9,43% dos 12 meses fechados em agosto de 2008.

Em agosto, o custo nacional da construção civil por metro quadrado passou de R$ 704,97 em julho para R$ 706,36% no mês passado. Desse valor, um total de R$ 407,7 são relativos aos materiais e R$ 299,19 à mão de obra, revela a pesquisa do IBGE.

De acordo com o levantamento, realizado em convênio com a Caixa Econômica Federal, a partir do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), a parcela de materiais registrou leve queda de 0,06 ponto percentual, passando de 0,35% para 0,29%, de julho para agosto.

O item mão de obra teve um recuo mais acentuado, de 0,58 ponto percentual, ficando em 0,07%, em virtude de apenas no estado de Sergipe ter havido reajuste salarial.

No ano, os materiais acumularam alta de 2,91% ante os 8,08% do mesmo período do ano passado. A mão de obra, segundo o IBGE, acumulou alta de 6,42% contra 7,23% em igual período de 2008. Em 12 meses, os resultados apresentam alta de 8,34% nos materiais e de 8,15% na mão de obra.

Por região do país, o Centro-Oeste registrou a maior variação (0,46%) no índice da construção civil, em agosto de 2009. O Sul apresentou a menor taxa mensal, de 0,06%. Nas demais regiões os resultados foram de 0,42% no Norte, de 0,26% no Nordeste e de 0,11% no Sudeste.

No acumulado do ano, o Sul manteve-se com a maior alta, de 4,71%, porém, considerando os últimos 12 meses até agosto, o resultado da região foi o mais baixo do país, ficando em 7,52%.

De acordo com a pesquisa, o menor acumulado regional, de janeiro a agosto, foi registrado no Norte (3,82%), mas nos últimos 12 meses a região apresentou a maior elevação, de 9,20%.

Por metro quadrado, os custos regionais foram de R$ 748,11 no Sudeste, de R$ 700,68 no Norte, de R$ 698,45 no Sul, de R$ 676,99 no Centro-Oeste e de R$ 659,92 no Nordeste.

Fonte: DCI - SP