Índice Nacional da Construção Civil sobe para 0,35% em setembro

Texto: Redação AECweb

Resultado ficou bem parecido com o de agosto (0,31%), apresentando uma aceleração de 0,04 ponto percentual

07 de outubro de 2010 - O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em convênio com a Caixa, fechou o mês de setembro em 0,35%, resultado bem próximo ao de agosto (0,31%), apresentando uma aceleração de 0,04 ponto percentual. Comparando com setembro de 2009 (0,20%), o índice atual também foi superior. O acumulado de janeiro a setembro foi 5,80%, acima dos 4,58% observados em igual período de 2009. Nos últimos doze meses, a taxa de variação foi de 7,08%, acima dos 6,92% registrados nos doze meses imediatamente anteriores.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, avançou de R$ 755,21 (agosto) para R$ 757,86 (setembro), sendo R$ 428,07 relativos aos materiais e R$ 329,79 à mão-de-obra.

A parcela dos materiais subiu 0,41%, um pouco acima da taxa de agosto (0,39%). A parcela de mão-de-obra registrou variação de 0,27% contra 0,21% de agosto.

De janeiro a setembro, o acumulado dos materiais foi 3,74%, acima dos 3,18% de igual período do ano passado, e a mão-de-obra, com taxa de 8,59%, também foi superior ao resultado do mesmo período de 2009 (6,55%). Nos últimos doze meses, os materiais mostraram variação de 4,86%, enquanto a mão-de-obra atingiu 10,10%.

No Centro-Oeste, foi registrado o maior acumulado do ano (8,29%), enquanto o Norte ficou com a maior taxa nos últimos doze meses (9,77%). O menor acumulado do ano foi 5,22%, no Sudeste e o menor acumulado nos últimos doze meses foi no 6,04%, Sul.

Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 798,44 (Sudeste); R$ 770,99 (Norte); R$ 741,81 (Sul); R$ 741,41 (Centro-Oeste) e R$ 707,24 (Nordeste).

Em setembro, devido aos reajustes salariais decorrentes de acordo coletivo, Pará (3,93%) e Roraima (2,30%) apresentaram as maiores elevações em suas taxas. Mato Grosso do Sul (0,04%) ficou com a menor variação no mês, vindo logo após os estados do Acre, Mato Grosso e Distrito Federal, todos com taxa de 0,10%.

Os menores acumulados no ano foram: 1,50% (Pernambuco) e 2,39% (Rio Grande do Norte). Pernambuco (5,03%) e Rio Grande do Sul (5,10%) apresentaram os menores acumulados nos últimos 12 meses.

Fonte: Agência IN