Indústria da construção civil apresenta queda no início de 2014

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Pesquisa revela que o nível de atividade ficou abaixo do usual para meses de janeiro, com indicador de 43,9 pontos

28 de fevereiro de 2014 - A indústria da construção apresentou queda no nível de atividade neste início de ano. Segundo a pesquisa Sondagem Indústria da Construção, divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o indicador de evolução do nível de atividade do setor atingiu 45,8 pontos em janeiro, um pouco acima dos 44,5 pontos registrados em dezembro de 2013, mas ainda abaixo da linha divisória dos 50 pontos, o que representa queda na atividade.

Os indicadores da Sondagem variam de zero a cem. Acima de 50 indicam crescimento ou atividade acima do usual e aquém representam queda na atividade ou abaixo do usual.

A pesquisa revela ainda que o nível de atividade da indústria da construção ficou abaixo do usual para meses de janeiro, com indicador de 43,9 pontos. "Esse resultado aponta para o desaquecimento do segmento e com resultado mais desfavorável desde agosto do ano passado, quando esse indicador foi de 43,5 pontos", diz o documento da CNI.

Com relação à Utilização da Capacidade de Operação (UCO), que mede o percentual utilizado no mês do volume de recursos, mão de obra e maquinário, o indicador registrou 70% em janeiro, ante 69% verificado em dezembro do ano passado. Como consequência da desaceleração da atividade no setor, houve um recuo no emprego. Segundo os dados da pesquisa, o número de empregados ficou abaixo da linha divisória dos 50 pontos, atingindo 45 pontos em janeiro. A Sondagem revela ainda que as expectativas dos empresários da indústria da construção, em fevereiro, para os próximos seis meses estão positivas. Com relação à perspectiva do nível de atividade, o indicador registrou 56,9 pontos.

Os empresários também estão otimistas com relação aos novos empreendimentos e serviços (56,3 pontos), compras de insumos e matérias-primas (55,8 pontos) e contratação de empregados (55,6 pontos).

Apesar da expectativa favorável, destaca a CNI, os quatro itens recuaram na comparação com janeiro e com fevereiro de 2013, o que significa empresários menos otimistas.

A Sondagem Indústria da Construção é realizada em parceria com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e foi feita entre 3 e 13 de fevereiro com 501 empresas.

"A queda da produção industrial em dezembro foi tão forte [-3,5% em relação a novembro] que vai influenciar o dado do setor para o período, então é provável que o PIB da indústria fique negativo em algo em torno de 0,50%, destoando do resultado geral da economia, que deve ser positivo no quarto trimestre", disse o superintendente adjunto de ciclos econômicos da FGV, Aloisio Campelo.

Fonte: DCI