Indústria de transformação tem expansão em dezembro de 2022, diz CNI

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

O segmento converte matéria-prima em um produto final ou intermediário, que será novamente modificado por outra indústria

foto de um maquinário industrial produzindo faíscas
Os dados são da Confederação Nacional da Indústria (CNI) (Foto: Andrei Armiagov/Shutterstock)

03/02/2023 | 14:46  Ao registrar crescimento no número de horas trabalhadas na produção, na massa salarial real e no rendimento médio do trabalhador, a indústria de transformação protagonizou uma expansão significativa no fim de 2022, em comparação com mesmo período de 2021.

Leia também

Projeção da inflação cresce em janeiro de 2023
Índice de custos da construção civil cai em janeiro
Entidades declaram que a manutenção da Selic inibe recuperação da economia

Os dados são da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que analisou seis indicadores de desempenho do setor. Em nota, a instituição afirma que algumas das principais contribuições para o desempenho positivo são a reorganização gradual das cadeias de suprimento, a desaceleração inflacionária e a recuperação do mercado de trabalho, associada à atividade econômica mais aquecida. “O avanço acontece a despeito das taxas de juros crescentes, que seguem impedindo um avanço mais expressivo da atividade industrial”, disse.

De acordo com o boletim, cinco dos seis indicadores registraram crescimento em dezembro de 2022, na comparação anual. Eles são:


Variação percentual


Dez22/Nov22 dessazonalizado

Dez22/Dez21
Jan-Dez 22/Jan-Dez 21
Faturamento real¹
-0,4
5,2
2,8
Horas trabalhadas na produção
0,6
0,4
2,7
Emprego
0,1
0,7
1,5
Massa salarial real²
0,3
5,6
3,7
Rendimento médio real²
0,8
4,9
2,1
¹Deflator: IPA/OG-FGV
²Deflator: INPC-IBGE
Utilização da capacidade instalada
Percentual médio
Variação em pontos percentuais

Dez22
Nov22
Dez21
Dessazonalizada
79,4
80,0
81,1

-0,6 p.p. Dez22/Nov22

Original
75,8
80,7
77,9

-2,1 p.p. Dez22/Dez21






O emprego registrou estabilidade pelo segundo mês consecutivo, reforçando a acomodação do ritmo de crescimento. Já o faturamento real e a utilização da capacidade instalada (UCI) recuaram, embora permaneçam em um patamar elevado. Segundo o boletim, entre todos os indicadores, apenas a UCI teve queda ao longo do ano.

Em dezembro de 2022, o faturamento real da indústria de transformação recuou 0,4% em relação ao resultado de novembro, na série livre de efeitos sazonais. Apesar da variação negativa no mês, o faturamento permanece no segundo ponto mais alto desde 2015. Na comparação acumulada de janeiro a dezembro de 2022 frente ao mesmo período de 2021, o faturamento registra alta de 2,8%.

Já o número de horas trabalhadas na produção cresceu 0,6% em dezembro de 2022, na comparação com novembro, também na série livre de efeitos sazonais. Na comparação anual, houve crescimento de 2,7% das horas trabalhadas em 2022.

No último mês de 2022, o emprego industrial permaneceu estável pelo segundo mês consecutivo, apresentando uma variação de 0,1% na comparação com novembro. Com o resultado do mês, o indicador encerra 2022 com alta de 1,5% no acumulado de janeiro a dezembro de 2022, frente ao mesmo período de 2021.

Além desses, a massa salarial real da indústria de transformação também cresceu, pelo segundo mês consecutivo, com alta de 0,3% na comparação com novembro, na série livre de efeitos sazonais.

O rendimento médio real do trabalhador da indústria apresentou, ao longo do ano de 2022, sete altas em 12 meses, fechando, no acumulado de janeiro a dezembro, com um avanço de 2,1%. Em dezembro de 2022, o indicador avançou 0,8% na comparação com novembro, na série livre de efeitos sazonais.

Por fim, a utilização da capacidade instalada recuou 0,6 ponto percentual (pp) em dezembro de 2022 na comparação com novembro.