Investidores apostam na valorização da Lapa

Texto: Redação AECweb

Antiga vila operária vêm se verticalizando desde 1980 e preço do m2 está subindo

21 de maio de 2010 - Cercada de vias importantes como as marginais do Tietê e Pinheiros, avenidas Hermano Marchetti e Marquês de São Vicente, a Lapa, na zona oeste, permite acesso fácil às regiões centrais da cidade e oferece muitas opções de serviço e comércio a seus moradores. Para especialistas do setor imobiliário, esses são os principais fatores que têm aumentado o investimento das construtoras na região.

Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), o valor do metro quadrado no bairro, que tem cerca de 55 mil habitantes, mais que dobrou. Nos últimos 24 meses, o valor médio do metro quadrado de um apartamento de dois dormitórios é de R$ 4.540. Há cinco anos o valor médio para um imóvel com características semelhantes era de R$ 2.110. "Graças ao crescimento da cidade de um modo geral, a Lapa ficou próxima de tudo e acabou se tornando interessante para empreendimentos voltados para as classes média e média alta", afirma Luiz Paulo Pompéia, diretor da Embraesp.

Com o tempo, o bairro, que hoje é misto, foi passando da vocação industrial para residencial. "A Lapa era um bairro predominantemente industrial até meados da década de 1970 com presença de casas e conjuntos habitacionais mais populares, mas a partir da década seguinte começou a ocupação com crescimento mais significativo na classe média alta", completa o diretor da Embraesp.

José Benedito Morelli, presidente do Conselho das Associações de Amigos de Bairro da Região da Lapa, explica que o bairro começou a se firmar como urbano após a instalação da linha ferroviária em 1867.

"A Lapa passou a ser o bairro da residência de funcionários da companhia de trens e também de indústrias e comércio que começaram a se instalar", conta. Atraídos pela oportunidade de emprego se mudaram para a Lapa os imigrantes italianos, espanhóis, lituanos e portugueses.

Na década de 1920, o comércio começou nas ruas Dr. Cincinato Pomponet, 12 de Outubro e redondezas. Sessenta anos depois, as lojas tomaram essas vias e, por isso, muitos moradores tradicionais foram embora. A partir de então, a Lapa foi perdendo as características de vila operária e aumentaram as construções de prédios residenciais, que persistem até hoje.

Infraestrutura

"Nos últimos anos, a Lapa vem se valorizando por ser um local central com infraestrutura plena que está absorvendo um público potencial de poder aquisitivo mais alto", explica Luiz Fernando Gambi, diretor de Comercialização e Marketing do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). Gambi acredita na valorização da Lapa e já investiu em alguns imóveis para vender no futuro. "As regiões próximas ao mercado, por exemplo, ainda têm pontos um pouco deteriorados, mas que estão em desenvolvimento e são boas opções de investimento, pois certamente terão valorização semelhante à que ocorreu na Pompéia.

Fonte: Jornal da Tarde – SP Eleni Trindade