Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Lucro da PDG Realty quase dobra no quarto trimestre

Texto: Redação AECweb

Vendas contratadas subiram 47% e totalizaram R$ 2,67 bilhões no ano passado

16 de março de 2010 - Depois de captar mais de R$ 2,3 bilhões na bolsa - em uma oferta primária de R$ 780 milhões em setembro e uma secundária de R$ 1,6 bilhão em janeiro, por conta da saída dos ex-sócios do Pactual - a PDG Realty fechou 2009 com um porte consideravelmente maior do que no ano anterior.

Com mais liquidez e participação no Índice Bovespa, as vendas contratadas subiram 47% e totalizaram R$ 2,67 bilhões no ano passado. A receita líquida somou R$ 1,98 bilhão, 61% acima da registrada em 2008.

O lucro líquido da PDG Realty, dona da Goldfarb (que atua na baixa renda) e da CHL, atingiu R$ 338,1 milhões no ano, alta de 85% sobre o ano anterior. No quarto trimestre, o lucro líquido foi de R$ 97,5 milhões, variação de 96% sobre o último trimestre de 2008.

Um dos atrativos da PDG nas ofertas foi justamente a participação da companhia no mercado de baixa renda. Segundo o balanço, 82% dos lançamentos aconteceram no segmento econômico (de até R$ 200 mil) e 52% elegíveis ao programa habitacional do governo Minha Casa, Minha Vida.

Este ano, porém, a empresa está com a estratégia de aumentar a sua participação na média e alta renda no mercado paulistano. E acaba de abrir uma nova unidade de negócios apenas para atuar nesse segmento. "Não vamos sair da baixa renda, é aí que estão as oportunidades para quem quer ser grande no mercado", afirma Zeca Grabowsky, presidente da PDG Realty. "Mas também há demanda e espaço em outros mercados."

Com o dinheiro captado na oferta primária, a companhia já aumentou o seu banco de terrenos. Em 2009, a PDG comprou terrenos que vão permitir lançamentos de cerca de R$ 7,1 bilhões, dos quais R$ 2,5 bilhões comprados no quarto trimestre. No trimestre anterior, a aquisição de terrenos tinha sido equivalente a um valor geral de vendas de R$ 1,5 bilhão.

Com endividamento de R$ 1,5 bilhão e caixa de R$ 1,1 bilhão, a dívida líquida da companhia fechou o ano em R$ 404 milhões.

Fonte: Valor Econômico – SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: