Lula afirma que novos ministros devem dar continuidade às obras

Texto: Redação AECweb

Presidente realçou o tema durante seu programa de rádio; 1ª reunião será nesta segunda-feira

05 de abril de 2010 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que os dez novos ministros que substituíram os que saíram para ser candidatos nas eleições deste ano atuem para assegurar a continuação das obras começadas. Este será o teor da primeira reunião ministerial com a nova equipe, que Lula faz nesta segunda-feira, 5. O tema foi realçado nesta manhã no programa semanal de rádio "Café com o Presidente".

Lula afirmou que não é tempo de parar, mas sim de trabalhar muito mais para que o governo não perca o compasso. Porém, de acordo com ele, as alterações no ministério não constituem nenhuma mudança na direção do Poder Executivo, das diretrizes determinadas e das obras contratadas. "Até porque nós entendemos que não é possível, faltando nove meses para terminar o mandato, alguém imaginar começar uma obra nova, tentar inventar um outro programa."

Segundo o presidente, a administração federal deve concretizar todos os projetos em curso, terminar aqueles que necessitam e podem ser finalizados e ainda adiantar o máximo possível as obras preestabelecidas, seja no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), no Minha Casa, Minha Vida ou nas demais propostas de cada pasta.

"Eu optei em promover os secretários executivos por uma razão muito simples, ou seja, não é possível você tentar, faltando pouco tempo para terminar o campeonato, você contratar jogadores novos", disse.

Lula afirmou que escolheu levar os secretários à função de ministro e consentir que eles aprontem as obras nas quais trabalhavam porque, direta ou indiretamente, estavam mais próximos ao titular da pasta e efetuavam os planos delineados.

"Estou convencido que esta foi a melhor forma para que a gente mantenha a continuidade. Que a gente não pare. Porque você imagina um ministro novo, ele tem de chamar um novo chefe de gabinete, tem de chamar um novo secretário executivo, até as pessoas conhecerem a máquina, acabou o meu mandato."

Fonte: Agência Estado