Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Maior facilidade no financiamento atrai novos compradores

Texto: Redação AECweb

Prazo mais longo, redução na entrada e juros menores impulsionam vendas. Imóveis do segmento econômico são mais procurados por jovens casais

14 de junho de 2010 - O aumento da renda da população e a redução dos juros foram fatores determinantes para a evolução do segmento econômico nos lançamentos imobiliários.

Carlos Renato Telles, diretor de atendimento da HabitCasa, divisão para o segmento econômico da Lopes, ressalta ainda a melhora nas condições dos financiamentos, como prazos mais longos (que chegam a 30 anos) e a redução no valor da entrada.

"Há pouco tempo, os compradores precisavam dar entrada de 30% do valor do imóvel. Hoje, fazem a compra com 20% do valor", diz. Há ainda casos de bancos que financiam até 100%.

Os imóveis de até R$ 250 mil são mais procurados por jovens casais que não têm filhos, mostra pesquisa da Inteligência de Mercado da Lopes. Famílias com renda de até R$ 4.650, que podem obter facilidades com o programa Minha Casa, Minha Vida, também estão entre os principais compradores.

A maioria está comprando a primeira moradia, mostra a pesquisa. Entre os que procuraram unidades de R$ 75 mil a R$ 129 mil, 95% adquiriram o primeiro imóvel; de R$ 130 mil a 179 mil, foram 81%; e de R$ 180 mil a R$ 250 mil, o percentual ficou em 62%. O estudo foi feito com clientes da empresa entre janeiro de 2009 e abril deste ano.

O analista de sistemas Fabiano Souza, 24, tem o perfil típico do comprador. Recém-casado, ele pretende se mudar com a mulher, até o final do ano, para o primeiro apartamento que comprou.

"Decidi comprar há dois anos para investir. O preço estava acessível e pude parcelar a entrada até a entrega das chaves", conta Souza, que pagou R$ 190 mil em um imóvel no Butantã (zona oeste de capital) com 64 m2.

A representante comercial Maria Auneri Ferreira, 58, pôde comprar o imóvel por meio do Minha Casa, Minha Vida. Ela obteve R$ 15 mil de subsídio e financiou uma parte do apartamento, de R$ 98 mil. "Com as facilidades, pude comprar um apartamento novo. Morava em um antigo e muito grande, que vivia dando trabalho."

Fonte: Folha de S. Paulo - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: