Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Mão de obra encarece construção

Texto: Redação AECweb

CUB subiu 3,57% no último ano, de acordo com levantamento do SindusCon-SP e da FGV

05 de janeiro de 2010 - As despesas com mão de obra puxaram o custo da construção civil em 2009. O chamado CUB (Custo Unitário Básico), indicador que mede a inflação da construção civil, subiu 3,57% no último ano, de acordo com levantamento do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) e da FGV (Fundação Getulio Vargas).

Segundo o SindusCon-SP, a elevação do custo da mão de obra em 7,85% e o reajuste salarial dos engenheiros, de em média 5,62%, foram os tópicos que mais pesaram no custo geral da construção civil. O custo final não ficou mais alto graças à queda média de 1,03% no preço do material de construção.

Segundo Eduardo Zaidan, diretor do Departamento de Economia do SindusCon-SP, apesar da crise financeira, o ritmo da construção civil em 2009 manteve-se forte. "Houve a crise, mas as construções que já haviam sido lançadas foram mantidas. Por isso, a pressão sobre o custo da mão de obra permaneceu", disse Zaidan.

O SindusCon considerou a variação de 3,57% em linha com outros indicadores de inflação da economia brasileira, por isso a pressão de custos vinda da mão de obra foi considerada "normal". Para 2010, a indústria da construção civil avalia que os salários podem continuar a ter reajustes acima da inflação.

Contratações
Além da alta real de salários, em 2009 a indústria da construção alcançou nível recorde de contratações com carteira assinada. Foram admitidos 2,328 milhões de trabalhadores, com saldo de mais de 200 mil empregos criados.

Estudo feito pela FGV a pedido da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) demonstra que um novo ciclo de investimentos (em habitações, saneamento e infraestrutura) irá elevar a demanda por mão de obra qualificada, que hoje não existe em quantidade suficiente no país. O estudo alerta também que essa condição deve provocar forte pressão sobre salários.

Fonte: Folha de São Paulo

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: