Material de construção cresceu 2,4% no 2º tri, revela Abramat

Texto: Redação AECweb

No primeiro semestre de 2011 a produção de insumos típicos de construção cresceu 3,9% em relação ao primeiro semestre de 2010

14 de outubro de 2011 - A Análise Setorial ABRAMAT, realizada em parceria com a FGV, revela que a produção de materiais de construção cresceu 2,4% no segundo trimestre do ano, contra mais de 5,5% no trimestre anterior, na comparação com iguais períodos do ano passado. No primeiro semestre de 2011, segundo o IBGE, a produção de insumos típicos de construção cresceu 3,9% em relação ao primeiro semestre de 2010, em que por sua vez, cresceu 8% frente a igual período de 2009.

O faturamento real da indústria de materiais, segundo a ABRAMAT, teve queda de 2% no segundo trimestre na comparação com igual período de 2010.  De janeiro a junho, a queda acumulada foi de 1,2%.  Mas os meses de julho e agosto já da algum sinal de reversão desse quadro.  Considerando a comparação com julho e agosto do ano passado, o faturamento real teve alta de quase 3%.

No varejo de materiais de construção, no segundo trimestre deste ano, o faturamento deflacionado cresceu 10,8%, segundo o IBGE, frente a igual período do ano passado. Desempenho ligeiramente menor do que o trimestre anterior, quando as vendas reais cresceram 13%. O primeiro semestre deste ano apresentou crescimento de 11,9% em relação ao mesmo período de 2010. Na comparação com 2009, o primeiro semestre de 2010 apresentou crescimento de 19,6%.

“O descompasso entre o faturamento real das vendas reais da indústria e do varejo pode estar associado a um movimento de compra de mais produtos importados pela revenda, o que contribui para a desaceleração na indústria”, aponta Walter Cover, presidente da ABRAMAT.

O mercado imobiliário também começa a dar sinais de desaceleração nas principais capitais do país. Na região metropolitana de São Paulo, por exemplo, as vendas recuaram 24,4% até julho na comparação com o mesmo período de 2010.

As empresas de construção vêm apresentando desaceleração em 2011 quando vista pela geração de novos postos de trabalho. Entre janeiro a julho, o número de trabalhadores com carteira no setor em todo o país aumentou 9,7%, em relação ao mesmo período de 2010, ano em que a taxa de crescimento do emprego havia atingido 14,5% nesse mesmo período.

Cover lembra que “A cadeia da construção civil é muito importante para toda a economia do país, representando mais de 8% do PIB brasileiro em 2010 e seu desempenho tem forte efeito multiplicador. A indústria de materiais é alavanca para a inovação e o desenvolvimento do setor e a indústria brasileira está pleiteando ações junto ao governo para melhorar sua competitividade”, diz o executivo.

Fonte: Investimentos e Notícias