Mercado da construção civil qualifica para garantir mão de obra

Texto: Redação AECweb

Cursos oferecidos por várias entidades intensificam a capacitação para a construção civil que mantém a demanda em alta

03 de fevereiro de 2010 - Em ano de mercado aquecido para a construção civil, uma das principais preocupações dos cons­­trutores é garantir mão de obra capacitada. As vagas no se­­tor vêm aumentando desde o fim do ano passado no Paraná, de acordo com dados da Secre­taria de Estado do Trabalho, Em­­prego e Promoção Social (Setp). Em 1.º de fevereiro, havia 1.100 va­­­gas para os diversos cargos da construção civil em todo o estado, mais da metade na capital.

"Os lançamentos em todo o estado confirmam o bom mo­­mento do setor, mas também revelam que será preciso um gran­­de esforço para capacitar a mão de obra. Não acreditamos em um apagão, mas é preciso am­­­­pliar a qualificação", analisa o vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Paraná, Normando Baú.

A entidade, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendiza­gem Industrial (Senai), iniciará na próxima semana a oferta de cursos gratuitos nas mais diversas áreas da construção. "Não falta apenas um tipo de mão de obra, será preciso realizar treinamentos em todas as áreas. As no­­vas tecnologias de construção exi­­gem pessoas com mais conhecimento. Construir não é mais uma atividade artesanal", ressalta Baú.

O primeiro curso da parceria é o de Leitura e Interpretação de Projetos, que está com inscrições abertas e terá início na próxima segunda-feira. As aulas serão no­­turnas na sede do Senai Constru­ção Civil, no bairro Parolin, em Curitiba. Serão 40 horas de curso, em turmas de 20 alunos. "O foco são os trabalhadores que atuam na construção civil. É muito im­­portante que os empresários incentivem seus funcionários a participar deste curso, que divulguem em suas obras para que todos possam se inscrever", destaca a coordenadora do Ser­­viço Social do Sindicato da In­­dústria da Construção Civil no Es­­tado do Paraná (Seconci-PR), Lia Márcia Batista.

Ela explica que este curso era um dos principais pedidos dos empresários, por ser básico e im­­­portante para o bom andamento da obra. "O conteúdo passa pelo entendimento dos tipos de planta, focando na terminologia usada nos projetos", diz.

Serão oferecidos gratuitamente também, mas ainda sem data definida, os cursos de Au­­xiliar de Manutenção Predial e Ser­­viços Elétricos, Oficinas de Matemática nas Obras, Educação Orçamentária e Inglês Básico.

Haverá ainda dois cursos que incluirão a participação da família dos trabalhadores: Inclusão Digital e Cozinha Brasil, que in­­centiva e orienta a alimentação saudável.

No ano passado, a parceria Sin­­duscon/Senai capacitou 400 pessoas nos cursos gratuitos. De acordo com Baú, este ano a in­­tenção é treinar pelo menos 600 pessoas.

O Senai é responsável ainda pela qualificação profissional por meio do Plano Setorial de Qualificação e Inserção Profissio­nal para os Beneficiários do Pro­­grama Bolsa Família (Planseq), que desde o ano passado oferece cursos para pintor, armador e montador, carpinteiro, azulejista, encanador, mestre de obras, auxiliar de escritório, eletricista, pedreiro, reparador, almoxarife, gesseiro, desenhista, projetista e operador de trator. Segundo o Senai, a meta é treinar ao menos 2 mil beneficiários paranaenses este ano.

Leia também: O que é gestão de facilities e por que ela é tão importante?

Investimento
Quem pretende investir em um curso para entrar no mercado da construção civil pode procurar o Senai que, a partir do próximo mês, terá os cursos de carpinteiro, instalador de drywall, instalador hidráulico e operador de elevador de obras. O valor dos cursos variam de R$ 100 a R$ 500.

A qualificação tem reflexo no salário. O piso da categoria vai de R$ 793 para serventes a R$ 1.482 para mestres de obra, conforme dados do Sindicato dos Trabalha­dores nas Indústrias da Constru­ção Civil de Curitiba e Região Me­­­­­­­­­tropolitana (Sintracon). Pro­fis­sionais como pedreiro, carpinteiro, encanador, eletricista e azulejista ganham no mínimo R$ 1.053, mas podem chegar a R$ 2.000, dependendo do conhecimento do profissional, explica o presidente do Sintracon, Do­­min­­gos de Oliveira Davide.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Se­­brae/PR) tem uma área voltada para pequenos empresários e pro­­fissionais autônomos da cons­­­­trução civil. O consultor des­­­­ta área no Se­­brae/PR, Pedro Cesar Rychov, informa que os pro­­fissionais co­­mo instaladores elétricos, hi­­dráu­­licos e montadores de gesso poderão se inscrever em cursos em parceria com a Universidade Tecnológica Fe­­deral do Paraná (UTFPR), a partir de março. Os va­­lores não estão definidos e a expectativa é treinar ao menos 300 profissionais este ano.

Fonte: Gazeta do Povo - PR