Mercado de imóveis deve crescer 21% no ABCD

Texto: Redação AECweb

Expectativa da Acigabc é que lançamentos ajudem setor a crescer na Região

27 de julho de 2010 - O mercado imobiliário do ABCD deve crescer 21% neste ano. A avaliação foi feita pelo presidente da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), Milton Bigucci, nesta segunda-feira (26/07). A expectativa de um boom de lançamentos na Região é a justificativa para o crescimento. No segundo semestre deste ano, a expectativa da entidade é que o setor cresça mais 5% na Região.

"As condições para se comprar um imóvel são muito melhores do que as de cinco anos atrás. Antigamente os bancos fugiam dos clientes quando se falava em financiamento, mas hoje a "briga" é saudável e todos querem atender as demandas. A facilidade no plano de pagamento é o principal atrativo para que as pessoas possam traçar a compra do seu imóvel próprio", destacou Bigucci.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Acigabc, o mercado imobiliário do ABCD registrou aumento de 106% no volume de lançamentos durante o primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2009. Foram 3.174 unidades lançadas em 2010 contra 1.541 lançamentos no primeiro semestre do ano passado.

O estudo com dados de São Bernardo, Santo André e São Caetano revelou ainda que a comercialização de imóveis verticais na Região em 2010 já superou em 18,7% os negócios realizados durante todo o ano passado. Enquanto em 2009 foram comercializadas 2.336 unidades habitacionais, neste ano 2.773 unidades já foram negociadas.

A pesquisa da associação indicou ainda que São Bernardo lançou 1.503 unidades com dois ou três dormitórios, superando Santo André - que registrou 1.228 unidades - e São Caetano - com 443 unidades. De acordo com Bigucci, o motivo para o crescimento foi a disponibilidade de terrenos em São Bernardo.

Preferidas

As unidades com dois e três dormitórios se destacam entre os lançamentos da Região, somando 90% do total. Atualmente, os bairros mais procurados para a construção de novos negócios imobiliários são Campestre e Jardim, em Santo André, Rudge Ramos e Demarchi, em São Bernardo e Barcelona, em São Caetano.

IPI zerado

Para o presidente da Acigabc a prorrogação do IPI zerado para materiais de contrução é um dos principais fatores que ajudam a expansão dos negócios imobiliários no País. "Toda ajuda é bem-vinda, ainda mais quando o governo reduz impostos para a construção. Acredito que com essa isenção do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), as construtoras devem intensificar os lançamentos imobiliários na Região", afirmou. "Quanto menos tributo melhor, mas sabemos que é um mal necessário", destacou.

2011

De acordo com Bigucci, a tendência é que em 2011 a construção civil possa estar ainda mais aquecida. "As construtoras já estão preparando muitos investimentos e acredito que principalmente na região do ABCD o boom será ainda maior", pontuou.

"Com a economia estável, a possibilidade de novos negócios é ainda melhor. Independentemente do próximo governante do País espero que continuem incentivando ainda mais a construção civil", ponderou.

Fonte: ABCD Maior - SP