Mercado imobiliário do ABC movimenta R$ 418 milhões

Texto: Redação AECweb

Santo André e São Bernardo deram lugar a São Caetano e Diadema, como cidades que mais receberam lançamentos

20 de maio de 2011 - O mercado imobiliário do ABC começa a dar sinais de que alcançará patamar de estabilidade neste ano. Segundo pesquisa da Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC (Acigabc), foram lançadas 1,5 mil unidades verticais neste primeiro trimestre, sendo 426 em São Caetano, 435 em Diadema, 353 em São Bernardo, 255 em Santo André e 120 em Mauá, recuo de 6% em relação a 2008, quando foram lançados cerca de 1,7 mil imóveis, o que representou R$ 418 milhões.

De acordo com os números liberados, Santo André e São Bernardo deram lugar a São Caetano e Diadema, como cidades que mais receberam lançamentos. Em São Caetano, o dado é reflexo do Espaço Cerâmica, projeto de revitalização urbana em área de 300 mil m² que receberá empreendimentos residenciais e comerciais, além de shopping e área de lazer.

Já Diadema pode ser considerada uma cidade em desenvolvimento imobiliário, já que mantém preço do m² barato (em média R$ 3 mil) e fácil acesso a São Paulo e demais cidades do ABC.

Passado período de crise e pós-crise (anos de 2009 e 2010), o número de lançamentos e vendas de imóveis novos na região voltou a um patamar considerado "normal" por Milton Bigucci, presidente da Acigabc. "Não podemos considerar os dados de 2009 [quando foram lançadas 706 unidades], porque as construtoras recuaram e deixaram para lançar em 2010, [2,1 mil lançamentos]", comenta.

Para Bigucci, a tendência do ABC é seguir o exemplo de São Paulo (demolir casas para construção de prédios), devido à falta e preço alto dos terrenos que ainda restam. "Na verdade, o bolso do cidadão é o que regula a quantidade e os locais dos lançamentos. Percebemos que os terrenos estão começando a ficar mais escassos, por isso fica mais caro construir, já que o valor do empreendimento será muito alto", comenta.

Com relação Valor Geral de Vendas (VGV) gerados na região, 45% ficou em São Caetano (R$ 186,7 milhões). Em São Bernardo, o valor de lançamentos é de R$ 106,2 milhões, Santo André lançou o equivalente a R$ 51,3 milhões e Diadema alcançou a marca de R$ 56,3 milhões em novas unidades. Já em Mauá, o total de lançamentos corresponde a R$ 18,1 milhões.

A maior parte dos imóveis lançados no ABC tem dois dormitórios (1.049 unidades), seguida pelos apartamentos com três (390 unidades) e quatro dormitórios (130 unidades). Foram lançadas apenas 20 unidades com um dormitório neste primeiro trimestre."Vivemos um momento de euforia no mercado imobiliário do ABC, que está sendo bem visto e aproveitado pelas empresas", diz.

Comparação

O preço médio do m² no ABC é R$ 3.834, valor 30% menor em relação ao registrado na cidade de São Paulo (R$ 5.177). O dado, segundo Bigucci, incentiva a movimentação do mercado imobiliário na região.

Entre os bairros preferidos das construtoras para lançamentos no ABC, destaque para bairro Santa Terezinha, em Santo André, que recebeu 132 novas unidades. Neste local, o preço do m² é de aproximadamente R$ 3.779,33. Baeta Neves e Centro, em São Bernardo, lançaram 185 e 162 novos apartamentos, respectivamente. O valor médio do m² nestes bairros é R$ 3.997 e R$ 3.983,33.

São Caetano concentrou 180 lançamentos no Jardim São Caetano e 120 no bairro Olímpico, onde o m² custa em torno de R$ 4.347,61 e R$ 4.429,81, respectivamente. Em Diadema, todos os lançamentos ocorreram no Centro (435 unidades) com preço do m² de R$ 3.006,75 e Mauá teve 120 novas unidades lançadas no Parque São Vicente, onde o m² custa R$ 2.829,27

Fonte: DCI - SP