Minha Casa, Minha Vida de São Luís cadastra cerca de 100 mil pessoas

Texto: Redação AECweb

Os inscritos no programa concorrem às 6.232 unidades habitacionais

05 de fevereiro de 2010 - A secretária municipal da Criança e Assistência Social, Roseli Ramos, fez um balanço positivo do cadastramento realizado para o programa "Minha Casa, Minha Vida" em São Luís, encerrado na última sexta-feira (26). No total, foram contabilizados 98.214 cadastros durante dez dias em 45 polos localizados em áreas e pontos estratégicos da capital.

Segundo Roseli Ramos, as famílias ludovicenses saíram satisfeitas com o atendimento oferecido pela Prefeitura de São Luís. "O resultado obtido foi excelente; fizemos um trabalho em conjunto. Todas as equipes de servidores municipais se dedicaram para atender bem a população", disse. O trabalho envolveu mais de 800 assessores de diversas secretarias com uma média de nove mil atendimentos diários.

A titular da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) destacou que o sistema de cadastro foi descentralizado nos bairros de São Luís para que as pessoas não enfrentassem filas nas madrugadas. "Os atendimentos foram marcados por um clima de muita tranquilidade e organização nos polos designados, realizados de modo rápido e sem a formação de longas filas. Com isso, podemos afirmar que superamos os desafios", frisou.

Além dos cadastradores, cada polo de inscrição tinha o apoio de dois coordenadores. Conforme levantamento da Semcas, o polo do Parque do Bom Menino, no Centro, foi o que efetuou o maior número de cadastros, com 12.718 inscritos. "O prefeito João Castelo, bastante sensível, determinou que fizéssemos um cadastro descentralizado para que as pessoas pudessem se inscrever perto de suas casas", afirmou Roseli Ramos.

Roseli Ramos destacou que foi montado um sistema de atendimento rápido, organizado e eficiente em todos os locais de inscrição do "Minha Casa, Minha Vida". "As pessoas não enfrentavam filas, os espaços eram cobertos para proteger do sol, ou seja, houve realmente cuidado com o povo e atenção especial para com os idosos e pessoas portadoras de necessidades especiais", pontuou.

As inscrições do programa "Minha Casa, Minha Vida" em São Luís ocorreram em duas etapas: a primeira de 08 a 12 de fevereiro e a segunda, logo após o Carnaval, de 22 a 26 do mesmo mês. Para a inscrição eram exigidos do interessado apenas os documentos de identidade, CPF e comprovante de residência.

"Tivemos um número bem grande de servidores públicos municipais engajados. A divulgação também foi fundamental no sentido de informar os pontos de cadastramento. Só a título de exemplo, houve atendentes que, em um dia, realizaram mais de 100 cadastros", destacou a secretária ao informar que os dados do cadastramento irão ajudar a decidir melhor as prioridades da política de habitação na capital.

Os polos da área 1, que abrange os bairros do Centro, São Francisco e Liberdade, foi o mais procurado com 24.489 cadastros. Em seguida, vêm os polos da área 4, situados nos bairros da Cohab, Cohatrac e Anil, com 16.371 cadastros.

Os inscritos no programa concorrem às 6.232 unidades habitacionais que serão construídas nas localidades do Piancó (1.840 apartamentos), Ribeira (1.592 casas e 1.408 apartamentos) e Tajaçuaba (1.392 apartamentos), todos projetos da Prefeitura de São Luís.

Residenciais - Dos três projetos, o do Residencial Piancó é o mais antigo. Foi selecionado pela Caixa Econômica Federal ainda no edital de chamamento público n° 001/2009. Fica localizado numa Zona Residencial em uma área de 44 hectares, situada entre os bairros Sá Viana e Vila Embratel, na região do Itaqui-Bacanga.

O projeto do Residencial Ribeira, localizado em uma Zona Industrial , passou por adaptações para se enquadrar às regras do programa. Para tanto, o prefeito João Castelo encaminhou à Câmara Municipal projeto de lei que institui a área de 81 hectares, situada nas proximidades da BR-135, na Avenida Engenheiro Emiliano Macieira, Distrito Industrial, na região da Ribeira, como Zona de Interesse Social para fins de inclusão em programa habitacional de interesse social.

O Residencial Tajaçuaba é o terceiro projeto da Prefeitura de São Luís que está em análise na Caixa. A área já possui licenciamento ambiental e o objetivo é construir 1.392 apartamentos na Zona de Interesse Social, já criada por meio de projeto encaminhado pelo prefeito e aprovado pela Câmara, na área do Santa Bárbara, que tem como limites os conjuntos Maria Aragão, Estrela da Lua e Cidade Operária.

Fonte: Jornal Pequeno - MA