Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Ministro afirma que MCMV deve entregar 280 mil moradias até final do ano

Texto: Redação AECweb

Marcio Fortes de Almeida fez balanço do programa, que já entregou 170 mil moradias e deve concluir até final do ano mais 110 mil

1º de outubro de 2010 - O Bom Dia Ministro entrevistou ontem, 30, o ministro das Cidades, Marcio Fortes de Almeida. No programa, o ministro falou sobre a atual campanha nacional de trânsito. Além disso, fez balanço do programa Minha Casa, Minha Vida, que já entregou 170 mil moradias e deve concluir até final do ano mais 110 mil, somando 280 mil. A entrevista é produzida e coordenada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República, e transmitida ao vivo pela NBR TV e via satélite, das 8h às 9h.

"Alguns pensam que eu anuncio em um dia e 1 milhão de casas estarão na rua no outro dia. Todos se ajustaram: a Caixa, os empresários, o ministério. A agilidade já existe. Até o final do ano, teremos mais de 1 milhão de projetos entre analisados, contratados e entregues", disse Fortes.

O programa Minha Casa, Minha Vida, já contratou 681 mil unidades habitacionais, com investimento de R$ 38 bilhões. Mais de 368 mil contratações beneficiam cidadãos com renda de até três salários mínimos. A meta do programa é reduzir o déficit habitacional do país, que hoje é de 5,6 milhões de unidades. O investimento total estimado para o programa é da ordem de R$ 68 bilhões. No PAC 2, o Minha Casa, Minha Vida vai investir R$ 71,7 bilhões entre 2011 e 2014, na contratação de 2 milhões de unidades habitacionais. Desse total, 1,2 milhões de moradias serão destinadas para famílias que recebem até três salários mínimios.

Campanha de trânsito

A campanha nacional de trânsito tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da utilização da cadeirinha para o transporte de crianças e do uso do cinto de segurança por todos os ocupantes do veículo, inclusive no banco traseiro. Relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que o uso da cadeirinha reduz o risco de morte de bebês em 70% e de crianças pequenas entre 54% e 80%, no caso de colisão. Já o uso do cinto de segurança pelo motorista e passageiro no banco dianteiro reduz o risco de morte em torno de 40% a 50%. No banco de trás, esse risco é reduzido em até 75%.

Fonte: Envolverde - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: