Mudanças no consumo do brasileiro são debatidas por empresários imobiliários

Texto: Redação AECweb

Secovi-SP realiza mais uma edição do seminário Tendências do Mercado Imobiliário, terça-feira, 5/7, para discutir com especialistas o comportamento da nova classe média

10 de junho de 2011 - Nos últimos cinco anos, o Brasil tem experimentado uma inédita mobilidade social, com o ingresso de mais de 30 milhões de pessoas na chamada classe C. Para atender os interesses de consumo desse público com produtos adequados, empresários de todos os setores têm debatido tendências e elaborado pesquisas. Essa busca por conhecimento também está presente no segmento imobiliário, e o Secovi-SP, por intermédio de sua vice-presidência de Incorporação e Terrenos Urbanos, promove o seminário Tendências do Mercado Imobiliário, dia 5/7, das 8h30 às 17 horas, na sede da entidade.

“Até 2006, predominava a oferta de imóveis de mais alto padrão e de quatro dormitórios, mas o mercado teve de se adaptar a essa mudança social e econômica e passar a produzir imóveis de dois dormitórios, com área útil menor e preço reduzido”, explica Celso Petrucci, economista-chefe do Sindicato. “Simultaneamente ao processo de elevação da renda da população, com expansão da capacidade de consumo, algumas construtoras abriram capital na Bolsa de Valores, e os bancos voltaram a tratar o crédito imobiliário como negócio”, completa Petrucci.

O aumento da oferta de financiamentos imobiliários, de consumidores de classe média e o lançamento de programas de moradia popular, como o Minha Casa, Minha Vida, promoveram uma verdadeira revolução no mercado imobiliário nacional. “Tudo isso aconteceu muito rápido e hoje sentimos as dores do crescimento, como falta de mão de obra especializada, o maior gargalo do setor, e uma possível redução dos recursos da caderneta de poupança”, enfatiza João Crestana, presidente do Sindicato da Habitação.

No evento Tendências do Mercado Imobiliário, essas questões serão amplamente discutidas com técnicos do setor financeiro, empresários do setor, profissionais de institutos de pesquisa e avaliação de crédito, dentre outros agentes. “Vamos debater essa importante transformação e refletir sobre os impactos futuros nos negócios imobiliários e nas cidades”, adianta Crestana.

Estão confirmadas as presenças do economista Octávio de Barros, do Bradesco, José Urbano Duarte, superintendente nacional da Caixa Econômica Federal, e Renato Meirelles, do Instituto de pesquisa DataPopular.

Fonte: Secovi