Nível de emprego na construção desacelera

Texto: Redação AECweb

As contratações tiveram alta em setembro, mas em ritmo menor do que o registrado nos meses anteriores.

17 de novembro de 2010 - O nível do emprego na construção civil começa a sinalizar arrefecimento, em um setor reconhecido nos últimos anos pelo crescimento vigoroso.

As contratações tiveram alta em setembro, mas em ritmo menor do que o registrado nos meses anteriores.

Foram 26,6 mil trabalhadores, ante 48,6 mil contratações em agosto, segundo pesquisa do SindusCon-SP e da FGV. O total de empregados formais na construção atingiu 2,85 milhões no mês.

A redução vem em momento oportuno, segundo o presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe. No ritmo que vinha ocorrendo, o aquecimento estava prestes a esbarrar em vulnerabilidades como o desabastecimento de material de construção e a carência da própria mão de obra diante da demanda.

"É um movimento até salutar que naturalmente iria ocorrer. Não poderia continuar a essas taxas. A indústria de material está com a utilização da capacidade instalada acima de 90%, quase no limite", afirma.

A desaceleração foi mais forte no Estado de São Paulo. O saldo positivo entre contratações e demissões em setembro ficou em 683 trabalhadores, acréscimo de apenas 0,09%.

"São Paulo, além de ser um mercado já bem avançado, sofre um pouco mais pela dificuldade na aquisição de terrenos e devido à legislação. Mas, em outros locais, como no Nordeste, a demanda por mão de obra continuou crescendo, com a contratação de 11,6 mil trabalhadores", diz.

Fonte: Folha de S. Paulo - SP