Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Obra de Jirau não tem data para ser retomada

Texto: Redação AECweb

Camargo Corrêa teve de hospedar parte dos trabalhadores em hotéis e despachar outros para casa após o incêndio que destruiu alojamentos

05 de abril de 2012 - Os trabalhadores que constroem a usina de Jirau, em Porto Velho permaneceram parados ontem, enquanto a construtora Camargo Corrêa tentava resolver onde alojá-los, após as depredações ocorridas na véspera. Parte dos trabalhadores foi encaminhada para hotéis e outros foram enviados de volta às suas cidades de origem.

Cerca de 3,2 mil funcionários ficaram desabrigados após o incêndio criminoso ocorrido durante os tumultos na madrugada de terça-feira. Pelo menos 750 operários pediram demissão.

A Camargo Corrêa, contratada pelo Consórcio Jirau para a construção da usina, divulgou nota informando que criou um serviço de informações pelo telefone gratuito 0800-7010170, para prestar esclarecimentos aos trabalhadores e a seus familiares. Muitos parentes de funcionários pedem informações, principalmente devido à divulgação da morte de um trabalhador no canteiro de obras.

Até a tarde de ontem não havia sido divulgado o laudo médico apontando a causa da morte, mas a Secretaria de Estado de Segurança, Defesa e Cidadania descartou sua relação com os atos de vandalismo no canteiro de obras. Ele teria sofrido um ataque cardíaco. O incêndio foi provocado por um grupo de vândalos que ateou fogo inicialmente na mata e depois em 36 dos 57 alojamentos localizados à margem direita do rio Madeira.

A Camargo Corrêa providenciou o translado do corpo para Manaus (AM), designou uma visitadora social para atender a família e também se responsabilizou pelo sepultamento. A empresa encaminhou para suas casas 600 funcionários que estavam nos alojamentos queimados e residem em cidades próximas a Porto Velho. Outros 400 aceitaram voltar ao canteiro de obras para ficar em alojamentos localizados à margem esquerda do rio.

A previsão da empresa era a de que até o início da noite de ontem os demais estivessem acomodados em hotéis ou tivessem embarcado para as cidades onde residem, para que não precisassem ficar mais uma noite no ginásio do Sesi, para onde foram levados na manhã de terça-feira.

Funcionários explicaram que o fogo teria sido ateado por um grupo que ficou descontente com o resultado da assembleia geral realizada na manhã da segunda-feira, onde foi decidido que a categoria voltaria ao trabalho após 23 dias de greve. A alegação é a de que diretores do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil de Rondônia (Sticcero) teriam dito que a greve havia acabado sem esperar que todos se manifestassem na assembleia.

Onze pessoas foram presas, acusadas de participar do incêndio. Mais 120 homens da Força Nacional de Segurança devem chegar a Porto Velho na madrugada de hoje para se juntar aos 103 que já estão na cidade. Esse grupo será responsável para manter a ordem nos canteiros de obras das usinas de Santo Antônio e Jirau, construídas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento.

Não há previsão de quando a as obras serão retomadas em Jirau. A greve iniciada dia 9 havia terminado na segunda-feira, depois de várias rodadas de negociações intermediadas pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). A greve foi julgada ilegal e abusiva e houve várias determinações para que os funcionários voltassem a trabalhar.

Fonte: O Estado de São Paulo

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: