Obras em aeroportos podem não ficar prontas

Texto: Redação AECweb

Coordenador de Infraestrutura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) disse ver "grande chance" de as obras mais expressivas não ficarem prontas a tempo

05 de julho de 2012 - Depois de leiloar os aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília num processo a toque de caixa, o governo agora coloca em risco a conclusão das obras a tempo para a Copa do Mundo de 2014 por causa da lentidão do cumprimento dos trâmites da concessão.

Depois de uma demora de cerca de 20 dias na assinatura do contrato, os consórcios vencedores começam a se preocupar com a emissão da ordem de serviços, que ainda não ocorreu, embora o prazo ainda não tenha expirado.

Em palestra ontem à tarde no Senado, o coordenador de Infraestrutura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Carlos Campos Neto, disse ver "grande chance" de as obras mais expressivas, como as de terminais de passageiros, não ficarem prontas a tempo, por causa do cronograma apertado. "Pela exiguidade dos prazos, é real a possibilidade de que os terminais de passageiros previstos para os três aeroportos não fiquem prontos a tempo de atender ao evento de 2014", avaliou Campos Neto, na apresentação.

Com a demora das etapas do processo de concessão, as concessionárias veem diminuir o tempo para realizar as obras. Embora a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) tenha até 30 dias para emitir a ordem de serviços, uma fonte ligada a um dos consórcios reclamou que, por causa da urgência dos trabalhos de construção civil, a autarquia não precisaria levar todo esse tempo.

Fonte: O Estado de São Paulo