Obras públicas vão movimentar R$ 800 milhões neste ano

Texto: Redação AECweb

Construção civil foi a segunda atividade que mais abriu vagas no ano passado, com a criação de 3,5 mil empregos

28 de março de 2012 - A construção civil é a segunda atividade que mais ofereceu empregos no Distrito Federal. No ano passado, foram abertas 8,53 mil vagas, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Atualmente, são 71,8 mil empregos, número que deve aumentar ainda mais por conta dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014.

No Estádio Nacional de Brasília, que terá capacidade para cerca de 70 mil pessoas, estão sendo abertas 3,2 mil vagas. Outros investimentos são o Expresso DF, um transporte coletivo que ligará cidades do Entorno Sul ao centro de Brasília, com criação de 6 mil empregos, e o trecho um do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que interligará o Aeroporto de Brasília ao Terminal de Integração Sul. Segundo o Governo do Distrito Federal (GDF), o edital do VLT encontra-se em ajuste final de conclusão.

A Copa do Mundo, sem dúvida, vai ajudar o segmento de obras públicas que será muito aquecido com os investimentos em infraestrutura. O GDF está preparando um pacote de obras para este ano e a expectativa é de que R$ 800 milhões em obras sejam executadas nos diversos setores de infraestrutura, edificação, entre outros", disse o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF), Júlio César Peres.

Outro fator que ajuda a aquecer a atividade é a demanda por imóveis residenciais. Em 2011, a venda de imóveis residenciais registrou alta de 3,6% no país e puxou para cima o resultado da indústria na composição do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2,7%. Na análise do Sinduscon-DF, houve uma estabilização do mercado imobiliário no ano passado, mas as obras públicas mantiveram o ritmo da indústria. Para 2012, as expectativas são otimistas: dados da Câmara Brasileira da  Indústria da Construção (Cbic) indicam que, após o crescimento de 11,6% em 2010 - o maior dos últimos 24 anos - o crescimento deve alcançar cerca de 5% neste ano, percentual semelhante ao do ano passado.

Para o diretor de engenharia da Paulo Octavio Investimentos Imobiliários, Marcílio José Sousa Bione, a chegada de novas empre¬sas não é motivo de preocupação para quem está no mercado. "As construtoras no DF estão bem aquecidas e com várias obras. Tem espaço para todas e o que falta mesmo é mão de obra qualificada. Não tenho dúvida de que a Copa do Mundo vai aquecer ainda mais o setor com obras nos estádios, hotéis e de infraestrutura." Hoje, a Paulo Octavio mantém 2 mil empregos diretos e indiretos.

A disputa, entretanto é acirrada. Entre os vários nomes desse mercado no Distrito Federal estão: Senap Construtora, Conbral, Brasal, Villela e Carvalho, Via Construções, Gontijo, entre outras.

Fonte: Brasil Econômico