Prazos para obras de operações urbanas em SP estão indefinidos

Texto: Redação AECweb

Até agora, apenas quatro operações já foram aprovadas por lei na cidade

18 de janeiro de 2010 - Previstas no Plano Diretor de São Paulo, as operações urbanas costumam movimentar o mercado imobiliário nos perímetros que abrangem. Trata-se de trechos, definidos pela prefeitura, destinados a receber melhorias urbanísticas. Quatro operações já foram aprovadas por lei na cidade: Água Branca, Faria Lima, Água Espraiada e Centro.

As obras no largo da Batata, que devem ser entregues em 2010, fazem parte da operação Faria Lima. Outra que pode se desenvolver ainda neste ano é a Água Espraiada.

O prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho, com a construção de um túnel até a rodovia dos Imigrantes, "provavelmente começa em 2010, mas não é certeza", diz Miguel Luiz Bucalem, secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano de São Paulo. "Há o objetivo de revitalizar locais onde hoje há moradias precárias e construir habitações de interesse social."

O trecho sul do Rodoanel, por sua vez, deve mesmo ser entregue neste ano. "Faz ligação com o sistema Anchieta-Imigrantes e poderá tirar muito caminhão de dentro da cidade", afirma Bucalem.

O prolongamento da Avenida Jacu-Pêssego, na zona leste, também está marcado para ser concluído em 2010, mas "não há data firme prevista", de acordo com o secretário. Por meio da conexão com o Rodoanel, "ligará uma zona de pouco emprego ao maior aeroporto da América Latina [Cumbica]", observa.

À espera
Outras operações urbanas aguardam aprovação de leis específicas para serem iniciadas. É o caso da Vila Sônia, localizada em um distrito da zona oeste que passa a ser mais visado por incorporadores para construir unidades para a classe média. A expectativa é que a estação de metrô Vila Sônia fique pronta em 2012. No centro, o projeto da Nova Luz está em processo de licitação, que deve ser concretizado em cerca de dez meses.

Fonte: Folha de S.Paulo -SP