Prédios verdes são tema de MBA

Texto: Redação AECweb

Curso começa no dia 17 de abril e será ministrado no Centro do Rio

9 de fevereiro de 2009 - Acaba de ser lançado no Rio o curso de MBA "Edifícios sustentáveis: projeto e performance", uma parceria entre a Universidade Federal Fluminense (UFF), a Universidade Católica de Petrópolis (UCP) e a América Latina Sustentável (ALS), associação de instituições de pós-graduação. Segundo sua coordenação, a especialização é fruto da demanda dos profissionais. Afinal, ultimamente, poucas palavras ganharam tanta visibilidade na construção civil quanto sustentabilidade.

Com apoio do escritório brasileiro do Green Building Council (GBC Brasil), o programa terá, no corpo docente, acadêmicos e profissionais do mercado. Destaque para o engenheiro Marcos Casado, que foi o responsável pela primeira edificação brasileira que recebeu a certificação Leed (sigla em inglês para Liderança em Energia e Design Ambiental), concedida pelo GBC  uma agência do ABN Amro Real, que fica em Cotia, São Paulo.

Os alunos farão visitas a obras em processo de certificação pelo GBC Brasil, informa o arquiteto Marcelo Meiriño, pesquisador da UFF e coordenador do curso, acrescentando que a equipe está buscando apoio do Crea-RJ e do Sinduscon-Rio: “Queremos disseminar o conhecimento das técnicas e tecnologias que habilitem profissionais a projetar edificações considerando seus impactos socioambientais e a auditar a performance destes prédios.”

O curso, que começa no dia 17 de abril, será ministrado no Centro do Rio. As inscrições podem ser feitas pelo http://www.alsustentavel.com.br/. As 15 mensalidades saem a R$380, cada.

A seguir, confira os requisitos para um edifício ser considerado sustentável pelo GBC. De acordo com o número de pontos ganhos, o projeto pode ganhar o nível de certificação prata, ouro ou platina. O selo Leed trabalha com seis grupos de itens:

LOCALIZAÇÃO: o prédio deve estar dentro da cidade, evitando interferência em regiões onde o meio ambiente ainda está preservado e diminuindo a poluição causada pelos caminhões que fazem o transporte;

USO RACIONAL DA ÁGUA: os prédios verdes costumam adotar sistema de captação de água de chuva ou do lençol freático para reaproveitamento e sistema de regulagem do fluxo de água nas torneiras;

USO RACIONAL DA ENERGIA: o edifício pode ser implantado de maneira a receber iluminação e ventilação naturais. Também pode captar energia solar para aquecimento da água;

QUALIDADE DOS AMBIENTES: a renovação do ar tem que ser muito boa e os usuários do edifício devem contar com espaços iluminados;

USO CONSCIENTE DOS MATERIAIS: materiais reciclados e certificados, como madeira de reflorestamento, tubulação feita com garrafa pet, em vez de PVC, argamassa mineral e tintas sem insumos derivados de petróleo são alguns da lista. A finalidade dada aos resíduos da obra também conta pontos.

INOVAÇÃO: leva-se em conta a novidade, que depois pode ser incorporada aos requisitos do Leed.

Fonte: O Globo, 08/fev