Relançamento do Minha Casa, Minha Vida ganha novas diretrizes

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

No planejamento, o primeiro semestre do ano será voltado à retomada da construção de unidades habitacionais que se encontram paralisadas

foto aérea de várias casas semelhantes, uma ao lado da outra, do programa habitacional Minha Casa Minha Vida
O novo governo afirmou que pretende incluir, também, novos tipos de habitação como proposta (Foto: Alf Ribeiro/Shutterstock)

06/02/2023 | 13:40  O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou o relançamento do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida (MCMV), planejado para o dia 14 deste mês. No anúncio, o Ministério da Casa Civil afirmou que a prioridade, durante o primeiro semestre do ano, é a conclusão das obras paralisadas da Faixa 1, que atende ao público com renda mensal de até R$ 2 mil — estimadas em 120 mil unidades.

Leia também

Indústria de transformação tem expansão em dezembro de 2022, diz CNI
Índice de custos da construção civil cai em janeiro
Contratos de aluguel podem ter reajuste de 3,79% em fevereiro

A informação é de que os seis primeiros meses de 2023 servirão não só como um momento de garantia de recursos para o retorno das obras no ritmo necessário, como também de revisão e preparação para a entrega oficial do novo formato do MCMV, estipulada para o início de agosto. No evento deste mês, serão divulgadas novas diretrizes e uma medida provisória para o programa.

O principal motivo para o governo não querer contratar novos empreendimentos usando o programa da gestão Bolsonaro – mesmo que apenas inicialmente – é o fato de o Casa Verde e Amarela não atender o que se chamava de faixa 1 do MCMV, modalidade que concedia subsídios de até 90% do valor do imóvel para famílias com renda de até R$ 1,8 mil.

Em nota, a equipe do governo Lula afirma que a revisão do MCMV teve início antes mesmo da reestruturação do Bolsa Família, considerando, em especial, a queda acentuada do ritmo de construção de habitações nos últimos anos. Isso porque a última regência do programa foi marcada pela redução drástica de lançamentos realizados pelas construtoras, diante da baixa atratividade dos projetos em meio ao movimento de alta de juros, inflação e queda da renda — fazendo, inclusive, com que a entrega de novas casas ficasse abaixo da média no período.

Há, ainda, o limitante financeiro para a continuidade das obras. Hoje, o financiamento para a faixa mais baixa do programa é de até 96 mil reais, mas a intenção é que esse valor possa aumentar para 150 mil reais, desafogando obras que estão paradas por conta do limite de financiamentos.

Apesar das últimas mudanças terem incorporado o aumento da faixa salarial de famílias atendidas, o novo governo afirmou que pretende incluir, também, novos tipos de habitação como proposta. A ideia é que haja pelo menos três desenhos de moradia e que elas sejam construídas de acordo com o perfil da cidade e da necessidade das famílias. 

Além disso, entre as mudanças previstas, estão a construção de apartamentos menores para famílias menores (de apenas duas pessoas ou um único integrante) e a adição de varandas (a pedido do presidente).

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) foi uma das entidades que se reuniram com o governo, na última semana, para tratar dessas diretrizes. Em relação à retomada de obras, José Carlos Martins, presidente da instituição, destacou ser necessário focar nas unidades que têm condições de receber investimento e agilizar procedimentos que, pelo tempo tomado, muitas vezes tornam os preços defasados para o setor. “É importante o diálogo, e importante que se tome cuidado com detalhes que podem mudar a efetividade do programa”, disse Martins.