Secovi-SP apresenta dados do mercado de locação residencial em São Paulo

Texto: Redação AECweb

Pesquisa realizada pelo Departamento de Economia do Sindicato aponta alta de 1,7% em novembro

15 de dezembro de 2011 - A diferença de comportamento dos dois principais indicadores que estão relacionados ao mercado de locação ficou ainda mais patente em novembro. Os contratos de aluguel em andamento com aniversário em dezembro e correção pelo IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) – que atualiza a maioria dos contratos – subirão 5,85%, que é a variação do indicador entre dezembro de 2010 e novembro deste ano.

Enquanto isso, os contratos novos realizados em novembro na cidade de São Paulo mantiveram a tendência de alta. No mês passado, seus valores subiram em média 1,7% em relação ao mês anterior, aponta pesquisa mensal do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). No acumulado dos últimos 12 meses, a alta é de 19,8%. “Infelizmente, não há previsão de estabilidade nos valores, porque continua difícil encontrar imóvel para alugar na Capital. Mal são desocupados, casas e apartamentos são disputados por vários locatários”, informa Francisco Crestana, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP.

As moradias que registraram os maiores acréscimos nos aluguéis foram as unidades de 1 quarto, que tiveram seus aluguéis reajustados em 2,5%, em média. A locação das residências de 2 dormitórios teve alta menor (1,5%), ao passo que os imóveis de 3 quartos ficaram com seus valores relativamente estáveis, com pequena elevação de 0,5%.

O tipo de garantia mais usado em novembro pelos proprietários e inquilinos foi o fiador, que participou com quase metade (47%) das locações. Outra modalidade muito utilizada foi o depósito de até três meses de aluguel, muito comum nos contratos de menor valor e responsável por quase um terço das locações (32,5%). O seguro-fiança foi usado em cerca de um quinto dos imóveis locados.

As residências alugadas mais rapidamente em novembro foram as casas e os sobrados. Essas moradias foram locadas num período médio de 12 a 28 dias. Os apartamentos demoraram um pouco mais para serem ocupados. Seu IVL (Índice de Velocidade de Locação), que mede em número de dias quanto tempo um imóvel leva para ser locado – variou de 18 a 36 dias.

Fonte: Secovi-SP