SindusCon-SP apoia campanha contra o sarampo

Texto: Redação AECweb

Ação tem duração de um mês e acontece na Capital e Grande São Paulo

25 de abril de 2011 - Com o apoio do SindusCon-SP, o Seconci-SP (Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo) realiza desde 13 de abril a primeira "Campanha de Prevenção ao Sarampo", destinada aos trabalhadores da construção civil. A ação tem duração de um mês e acontece na Capital e Grande São Paulo.

Durante a campanha, a equipe de enfermagem do Seconci-SP vai percorrer diversos canteiros de obras das empresas participantes e aplicará a vacina tríplice viral, que imuniza contra o sarampo, caxumba e rubéola. A previsão é imunizar 4 mil pessoas.

Além da proteção, os trabalhadores vão receber orientações sobre a doença e ganharão como brinde um squeeze (garrafa plástica que traz dizeres sobre o uso consciente da água e a importância em hidratar o corpo).

O Seconci-SP está muito ciente da sua responsabilidade social e a ação é de grande valia, já que a saúde do trabalhador da construção civil e de toda a população é a razão da nossa existência", diz Antonio Carlos Salgueiro de Araujo, presidente da entidade. Ele destaca ainda que, "ao imunizar os trabalhadores do setor, a entidade contribui para a campanha da Secretaria de Estado da Saúde para a erradicação do sarampo".

A ação também faz parte dos temas de sustentabilidade e responsabilidade social a serem apresentados no Enic (Encontro Nacional da Indústria da Construção), que ocorrerá nos dias 10, 11 e 12 de agosto, em São Paulo.

Transmissão


Desde 2005, o Estado de São Paulo não registrava um caso de sarampo. A Secretaria de Estado da Saúde confirmou, este ano, o primeiro. O paciente mora em Campinas e contraiu a doença em uma viagem aos Estados Unidos, em janeiro.

O período de transmissão da doença começa quatro dias antes do aparecimento de manchas avermelhadas na pele e se estende até quatro dias depois. A transmissão para uma pessoa não imunizada ocorre por meio do contato com as secreções respiratórias (gotículas de saliva, espirro e tosse) de um indivíduo infectado. Entre os sintomas está dor de cabeça, febre alta (até 40º C), conjuntivite e fotofobia intensa, tosse seca e persistente, corrimento nasal, placas avermelhadas na pele, principalmente no rosto, e manchas brancas na região da mucosa da bochecha.

O sarampo em adultos pode trazer consequências graves, como pneumonia, diarréia, otite aguda (infecção no ouvido), encefalite (inflamações agudas do cérebro), podendo até mesmo provocar a morte.

Fonte: Sinduscon - SP