SindusCon-SP reduz estimativa do PIB da construção

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Em doze meses o crescimento acumulado é de 6,41% (+204,4 mil)

23 de agosto de 2012 - O nível de emprego na construção civil brasileira cresceu 0,84% em julho, com a contratação de mais 28,1 mil trabalhadores com carteira assinada no país. Com o resultado, o crescimento acumulado do emprego no setor variou 6,98% (+221,5 mil contratações) nos primeiros sete meses do ano, indicando desaceleração: de janeiro a julho de 2011, o setor havia contratado mais 228,2 mil trabalhadores (+8,07%).

Em doze meses o crescimento acumulado é de 6,41% (+204,4 mil). O resultado também é inferior ao crescimento acumulado de agosto de 2010 a julho de 2011, de 8,25% (+233 mil). É o que mostra a pesquisa mensal feita pelo SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) em parceria com a FGV.

"Esta desaceleração do crescimento do emprego, somada a outros indicadores que denotam queda na atividade econômica, fizeram o SindusCon-SP rever sua expectativa de crescimento da construção de 2012, que era de cerca de 5%, para algo acima de 4%", afirma o presidente da entidade, Sergio Watanabe.

Segundo ele, embora o resultado da construção ainda deva ser mais do dobro do estimado pelo mercado para o PIB do país em 2012, a desaceleração da construção deve alertar o governo para a tomada de novas medidas em relação ao setor. "É preciso equacionar o Programa Minha Casa, Minha Vida para que ele deslanche na faixa de renda das famílias mais desfavorecidas, com renda mensal de até R$ 1,6 mil. No PAC, o governo federal precisa agilizar a execução do Orçamento para este ano, pois o pacote de concessões só vai surtir efeitos práticos em 2013/2014. E as prefeituras precisam agilizar as aprovações de projetos de construção, para que o setor imobiliário possa manter sua atividade."

"A adoção destas e de outras medidas diminui o risco de reversão do crescimento da construção com fechamento de vagas em 2013/2014", afirma o presidente do SindusCon-SP.

Brasil – Com as novas contratações, a construção brasileira empregava até o final de julho 3,4 milhões de trabalhadores com carteira assinada. Destes, cerca de 1,7 milhão estava no Sudeste; 718,8 mil no Nordeste; 476 mil no Sul; 275,4 mil no Centro-Oeste e 212,6 mil no Norte.

Em julho, o emprego na construção cresceu em relação a junho em todas as regiões do país, com destaque para o Norte (+2,78%) e Sudeste (+0,91%).

Estado de São Paulo – O número de contratações na construção cresceu 0,54% em julho no Estado de São Paulo, com o registro de 4,6 mil contratações. No acumulado de janeiro a julho, foram contratados mais 45 mil (+5,51%) no setor e em 12 meses mais 35,6 mil (+4,31%). Ao final de julho, as empresas paulistas somavam 861 mil empregados com carteira assinada. Das 10 regiões pesquisadas, apenas Campinas registrou declínio, pelo segundo mês consecutivo, no nível de emprego.

Fonte: Sinduscon – SP