Solução inovadora acelera obras de infraestrutura em todo o País

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Brasil foi o segundo país a ter acesso ao Televisionamento 360°

02 de abril de 2014 - Soma de tecnologias desenvolvidas em vários países - softwares ingleses e franceses e câmera japonesa -, uma técnica inovadora está sendo empregada em grandes obras de infraestrutura em curso no Brasil, como as linhas 4 (Amarela), 5 (Lilás) e 15 (Branca) do metrô de São Paulo; linha 4 do metrô do Rio de Janeiro; as usinas hidrelétricas de Jirau, em Rondônia, e Belo Monte, em Altamira no Pará; e o Projeto Apolo, mina da companhia brasileira Vale com capacidade para produzir 24 milhões de toneladas anuais de minério de ferro, em Caeté, Minas Gerais. Trata-se do Televisamento 360º das paredes de furos de sondagem, o método de investigação de solo mais importante surgido nos últimos 100 anos, que garante segurança às grandes obras a um custo menor e com maior rapidez.

O Brasil foi o segundo país do mundo a ter acesso à essa tecnologia de investigação de maciços rochosos, introduzida pela Alphageos, que está revolucionando métodos em prática há mais de 100 anos. Juntos, os empreendimentos mencionados acima vão bem além dos R$ 70 bilhões em investimentos, empregam milhares de trabalhadores e beneficiarão milhões de pessoas. "Fatores determinantes para que os cuidados com segurança dos projetos sejam redobrados, principalmente e em primeiro plano os associados às condições do solo, fundamentais para a solidez das obras", diz o geólogo Ruy Thales Baillot, fundador da Alphageos Tecnologia Aplicada, que introduziu essa tecnologia no Brasil, segundo país do mundo a aplicá-la. O geólogo é formado pelo Instituto de Geociência da USP e cursou geologia de engenharia e mecânica das rochas aplicadas a hidrelétricas na University of Florida.

O Televisamento 360º garante 100% de "recuperação" dos testemunhos virtuais dos furos de sondagem de maciços rochosos e, portanto, maior segurança para as obras, com economia em torno de 50% do tempo dedicado a pesquisas, e mais de 30% nos custos quando comparados a métodos de pesquisa tradicionais. "Com a expansão dos conglomerados urbanos, as obras de infraestrutura seguem avançando rumo às periferias, que é para onde as cidades crescem, e acabamos por nos deparar com a incidência de maciços rochosos", diz Baillot.

Como o próprio nome indica, o Televisamento 360º consiste em investigar a rocha através das imagens obtidas das paredes de furos de sondagens. O sistema é totalmente computadorizado e sua operação exigiu o desenvolvimento de softwares específicos e gravação digital.

Fonte: DCI