Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Sudeste ainda é a região mais cara para construir: R$ 792,23 por metro quadrado

Texto: Redação AECweb

Pesquisa revela que o custo inclui metro quadrado, materiais e mão-de-obra

08 de julho de 2010 - Moradores da região Sudeste foram os que mais desembolsaram na hora de construir um imóvel no mês passado. Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgada nesta quarta-feira (7), revela que o custo do metro quadrado na região chegou a R$ 792,23, incluindo materiais e mão-de-obra, enquanto que o custo médio nacional atingiu R$ 747,36 no sexto mês do ano.

Em seguida estão as regiões Norte, com valor de R$ 747,18; Sul, com metro quadrado a R$ 724,26; e Centro-Oeste, com R$ 720,50. Os moradores do Nordeste, por sua vez, foram os que pagaram menos na hora de construir no mês passado: R$ 702.

Altas

A região Sul registrou a maior alta em relação a maio. No mês passado, os moradores da região gastaram com a construção 0,93% a mais do que no mês anterior. Os moradores da região Nordeste também sentiram a alta dos custos que, em junho, variaram 0,75%.

Já os residentes da região Norte obtiveram a menor variação mensal, de 0,44%. O Centro-Oeste (0,54%) e o Sudeste (0,59%) vieram em seguida. Na média nacional, a alta foi de 0,66%.

Por estado

Ao analisar os dados por estado, Paraíba registrou a maior variação mensal, de 4,19%, devido aos reajustes salariais. Na outra ponta, as menores elevações ficaram com Roraima, onde os custos registraram alta de 0,16%; Rio Grande do Norte (0,17%) e Bahia (0,19%).

No acumulado do ano, Roraima (0,68%) e Paraná (0,91%) apresentaram os menores índices.

Com relação ao estado mais caro para se construir, o Rio de Janeiro, com R$ 833,54, aparece novamente em primeiro lugar. Por outro lado, o Rio Grande do Norte registrou o menor custo, com R$ 649,75.

Índice

O Índice Nacional da Construção Civil engloba o preço dos materiais, que ficaram 0,66% mais caros em junho, e da mão-de-obra que, por sua vez, apresentou variação de 0,83% no período analisado.

Fonte: Infomoney - SP

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: