Taxa de desemprego sobe em janeiro e setor da construção está 2,3% acima

Texto: Redação AECweb

As maiores chances de conseguir um emprego foram registradas na construção civil, que abriu 30 mil postos de trabalho, 2,3% acima do total do mês anterior

29 de fevereiro de 2012 - A taxa de desemprego subiu de 9,1%, em dezembro, para 9,5% em janeiro, na média das sete regiões metropolitanas onde o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) fazem mensalmente a Pesquisa de Emprego e Desemprego. Foi a primeira alta da taxa desde junho do ano passado. Mesmo assim, a taxa de desocupação ainda é quase um ponto percentual inferior a janeiro do ano passado, quando era de 10,4%.

O total de desempregados foi estimado em 2,1 milhões, o que representa um acréscimo de 104 mil em relação ao número registrado no mês anterior.

Foram criados 16 mil postos, mas a quantidade de pessoas que passaram a disputar uma vaga no mercado de trabalho foi bem maior do que esse número, 120 mil. As maiores chances de conseguir um emprego foram registradas na construção civil, que abriu 30 mil postos de trabalho, 2,3% acima do total do mês anterior. Em seguida, aparece o setor de serviços, com oferta de 26 mil vagas (alta de 0,2%).

No grupo chamado outros setores (que inclui serviços domésticos, por exemplo), o número de empregos teve um leve acréscimo de 0,4% e chegou a 6 mil. Já no comércio, houve estabilidade, com 3,2 mil vagas ofertadas, e na indústria foram fechados 45 mil postos de trabalho, o que representa uma queda de 1,5% em relação ao resultado de dezembro.

O levantamento indica ainda que o rendimento médio dos assalariados caiu 0,4% e ficou em de R$ 1.510 em dezembro enquanto o rendimento médio real dos ocupados subiu 0,4% passando a valer R$ 1.458.

O rendimento médio real dos ocupados aumentou em Belo Horizonte (1,8%, passando a valer R$ 1.464), Salvador (1,2%, R$ 1.017) e, em menor medida, em Recife (0,6%, R$ 1.064 ) , S ã o P a u l o (0,6 % , R$ 1.591) e Distrito Federal (0,6%, R $ 2.196) e diminuiu em Porto Alegre (1,6%, R$ 1.453) e Fortaleza (1,3%, R$ 927).

No conjunto das regiões pesquisadas, cresceu a massa de rendimentos dos ocupados (0,9%) e permaneceu em relativa estabilidade a dos assalariados (-0,1%).

O IBGE, que adota outra metodologia, já divulgou que a taxa de desocupação foi estimada em 5,5% em janeiro, a menor para o mês de janeiro desde o início da série (março de 2002). Já o rendimento médio real habitual dos ocupados (R$ 1.672,20, o valor mais alto para o mês de janeiro desde março de 2002) apresentou alta de 0,7% na comparação mensal e de 2,7% frente a janeiro do ano passado.

Fonte: O Globo