Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Vendas das construtoras aumentam 11% em 2010 no Amazonas

Texto: Redação AECweb

Um dos fatores foi a ampla oferta de crédito oferecida para a população através do plano habitacional do governo Federal

O IVV (Índice de Velocidade de Vendas), no Amazonas, fechou o ano passado com um saldo 11% maior que em 2009. Um dos fatores que ajudaram no resultado foi a ampla oferta de crédito oferecida para a população através do plano habitacional do governo Federal ‘Minha Casa, Minha Vida’. Com este resultado, o Estado se mantém no terceiro lugar com melhor desempenho, sendo superado apenas por Minas Gerais e São Paulo. Para 2011, o Sinduscon/AM (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas) planeja atingir um patamar entre 6% e 7% maior para o IVV.

Trimestre fraco

Apesar do crescimento, o último trimestre de 2010 apresentou uma queda de 31% nas vendas de novas unidades habitacionais no Amazonas. De outubro a dezembro daquele ano, o índice evoluiu 18,39%, pior desempenho registrado em comparação ao demais trimestres -com uma média de 24%.

Para o diretor da Comissão da Indústria Imobiliária do Sinduscon/AM, Newton Veras, o recuo não desanima o mercado de imóveis do Estado. No trimestre estavam disponíveis cerca de 4.000 imóveis, porém só 785 foram vendidos.

"Teve queda tanto no ‘Minha Casa, Minha Vida’ quanto do mercado aberto. O tempo que a Caixa Econômica leva para aprovar um processo não é rápido. Muita coisa é atrelada a esse processo do programa habitacional. Há gargalos também na mão de obra e na aquisição de material de construção", desabafou o vice-presidente do sindicato, Frank Souza.

O ‘Minha Casa, Minha Vida’ alcançou 6,88% de vendas no período, o que foi considerado por Veras como um dado discreto para a análise. Já o sistema financeiro das incorporadoras, carro chefe das vendas para a construção civil, apresentou pico de 62,55%.

Centro e Cachoeirinha têm maior IVV

Nos três últimos meses do ano passado, o maior volume comercializado em relação à oferta foi dos imóveis com área útil de 50 a 99 metros quadrados com IVV de 24,46%. Logo abaixo, estão os imóveis de 200 a 249 metros quadrados. No ano, o Estado obteve em torno de mil unidades comercializadas a cada trimestre.

No quesito número de cômodos, o maior índice foi de imóveis de dois quartos: 1.284 unidades disponibilizadas e 263 vendidas no período, o qual resultou num IVV de 20,48%.

Venda na planta

Outro dado mostrado pelo IVV foi que um pouco mais de 90% dos imóveis (711 unidades) vendidos no trimestre foram negociados na planta e apenas 0,89% foram comprados já na fase acabada.

O bairro que teve maior concentração de imóveis disponíveis foi o Santa Etelvina (zona Norte), com 874 unidades, o que correspondeu a 20,47% da oferta. O maior IVV ficou, com os bairros da zona Sul, no caso o Centro (76,04% de imóveis vendidos), seguido pela Cachoeirinha (74,55%). Estes locais abrigam, na maior parte, habitações com tamanho entre 50 e 100 metros quadrados de área.

O IVV é um levantamento feito a cada três meses que investiga a disponibilidade de compra e venda no mercado imobiliário vertical residencial, ou seja, apartamentos. O índice é coletado através das construtoras cadastradas no Sinducon/AM e é válido para todo o Estado.

Fonte: Jornal do Commercio - AM

x
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins: