• Busque fornecedores, produtos e matérias
Seta Direita

Busca por Fornecedor ou ProdutoUtilize a barra de busca para procurar
o fornecedor ou produto que você deseja!

> > > Lajes protendidas vencem grandes vãos e reduzem o peso da estrutura

Lajes protendidas vencem grandes vãos e reduzem o peso da estrutura

Esbeltas e resistentes, as peças exigem maior cuidado na execução, equipamentos especiais e mão de obra qualificada

Texto: Gabriel Bonafé

Lajes protendidas, também conhecidas como lajes com armaduras ativas, são aquelas cujo aço passa pelo processo de protensão. Comparadas às lajes convencionais, são mais esbeltas e suportam vãos maiores entre os apoios.

Isso porque a técnica de protensão, que alonga os cabos e cordoalhas da armadura por meio de uma ação externa com macacos hidráulicos, garante esforços de tração permanentes ao aço e maior compressão ao concreto.

“As lajes protendidas são amplamente utilizadas em obras com grandes vãos livres entre apoios, como centros de distribuição, shopping centers etc. Todavia, nada impede seu emprego em qualquer tipo de obra”, indica Ercio Thomaz, pesquisador do Laboratório de Componentes e Sistemas Construtivos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

lajes-protendidas
Peças pré-fabricadas de concreto protendido para montagem de laje (Thanate Rooprasert/ Shutterstock.com)

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Por conseguir vencer vãos maiores do que o concreto armado convencional com uma menor espessura, a laje protendida também reduz o peso próprio da estrutura. Além disso, a solução apresenta maior durabilidade. “Como é feita de um concreto que fica permanentemente comprimido, praticamente não tem fissuras”, explica Mario Cesar de Araujo Abreu, consultor da Odebrecht Engenharia e Construção.

As lajes protendidas são amplamente utilizadas em obras com grandes vãos livres entre apoios, como centros de distribuição, shopping centers etc. Todavia, nada impede seu emprego em qualquer tipo de obra
Ercio Thomaz

No entanto, a execução da laje protendida exige maior cuidado, com mais monitoramento nas diversas fases da obra. Também são necessários equipamentos especiais e mão de obra qualificada, o que pode tornar a solução mais cara do que as lajes convencionais.

MÉTODOS DE EXECUÇÃO

A concretagem da laje protendida é semelhante à de estruturas convencionais. O que muda são os preparativos para a execução da protensão, que podem ser feitos por meio de dois métodos.

No primeiro, os aços são posicionados na bancada e recebem a tração nos cabos antes do lançamento do concreto. Ao serem envolvidos pelo concreto, são retirados das bancadas para proporcionar tração ao concreto por fricção ao longo de todo o cabo.

Como a laje protendida é feita de um concreto que fica permanentemente comprimido, praticamente não tem fissuras
Mario Cesar de Araujo Abreu

Já o segundo método consiste em concretar a peça com bainhas internas, que servem de dutos para a passagem do aço. “Depois que o concreto ganhar certa resistência (definida em projeto), realiza-se a protensão com auxílio de ancoragens e macacos hidráulicos”, conta Thomaz.

Os valores de resistência à compressão do concreto utilizado na laje protendida, geralmente, superam 30 e 35 MPa. No entanto, o cálculo varia de acordo com o vão e o carregamento a que a estrutura estará submetida.

NORMAS

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) possui quatro normas que regulamentam a atividade na construção civil com lajes protendidas. A NBR 6118 traz procedimentos para projeto de estruturas de concreto e a NBR 14931 traz procedimentos para execução de estruturas de concreto.

A NBR 14859 traz requisitos para laje pré-fabricada e a NBR 14861, requisitos e procedimentos para lajes alveolares pré-moldadas de concreto protendido.

Leia também:
Concreto armado e protendido têm diferentes propriedades e aplicações
Cuidados com uso do macaco hidráulico geram resultados confiáveis
Protensão viabiliza pontes e viadutos com grandes vãos

Colaboração técnica

Ercio Thomaz – Graduado em engenharia civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, tem mestrado e doutorado em engenharia civil pela Universidade de São Paulo (USP). É pesquisador do Laboratório de Componentes e Sistemas Construtivos do IPT.
Mario Cesar de Araujo Abreu – Formado pela Escola de Engenharia Mauá em 1976, trabalha em obras de construção pesada desde 1975. É consultor da Odebrecht Engenharia e Construção desde 2001. Especialista em projetos, planejamento e obras de infraestrutura.
Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber gratuitamente nossos boletins.

Complete seu cadastro