Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Como escolher a vegetação ideal para a construção de telhados verdes?

A carga extra sobre a laje, a incidência do sol e a força dos ventos são algumas das características que precisam ser analisadas e consideradas antes da escolha do sistema

Publicado em: 04/09/2017Atualizado em: 06/02/2018

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Solução que proporciona conforto térmico e acústico, os telhados verdes valorizam as lajes e trazem benefícios à vizinhança. Além de melhorar a paisagem, o sistema colabora com a redução da poluição e auxilia na absorção da água da chuva, diminuindo o risco de enchentes. Mas atenção: apesar da existência de vegetação na cobertura ser iniciativa interessante, nem todas as espécies podem ser cultivadas nessas condições.

fundacao-com-tubuloes
Existem diversas vantagens na utilização da vegetação na cobertura, porém existem tipos específicos para essa aplicação (Sunflowerey/shutterstock.com)

Entre os fatores que norteiam a escolha das plantas estão o nível de incidência de sol e a intensidade de vento. “Também interferem na seleção a infraestrutura para irrigação e a drenagem da água excedente”, afirma a paisagista Ana Paula Magaldi, titular do escritório Studio Ana Paula Magaldi Paisagismo.

PROJETANDO

Para atender às limitações do sistema sem abrir mão da beleza visual, é necessário conhecimento técnico e artístico
Ana Paula Magaldi

Segundo a paisagista, compor o grupo que projeta o telhado verde traz desafios, muitas vezes, maiores do que outros trabalhos, sendo imprescindível contar com equipe multidisciplinar integrada por paisagistas, arquitetos e agrônomos. “Para atender às limitações do sistema sem abrir mão da beleza visual, é necessário conhecimento técnico e artístico”, fala a especialista.

A determinação das espécies vegetais começa com dados informados pelo engenheiro civil sobre a carga máxima permitida por metro quadrado. “Essa informação é de suma importância para especificação da vegetação”, ressalta Magaldi. Paralelamente, é realizada a verificação do sistema de irrigação e drenagem da água. Se a infraestrutura estiver adequada, o paisagista tem em mãos os elementos básicos para sugerir algumas plantas.

TIPOS DE PLANTAS

Espécies de palmeiras são adequadas para cobertura verde, pois suportam bem a ventilação em excesso. “Palmeiras fênix, washingtonias e bismarquias estão entre as ornamentais mais empregadas. Além disso, em determinados contextos, podemos optar pelas frutíferas. Um exemplo é a jabuticabeira, que, além de atrair os pássaros, é um convite ao convívio se estiver localizada próxima a bancos ou poltronas”, explica a paisagista.

Já para determinar a vegetação usada nas forrações, o método pode ser o mesmo empregado com o solo natural. “Deve-se somente ficar atento à incidência de luz, pois espécies de sombra não sobreviverão no sol e vice-versa”, fala Magaldi.

TIPOS DE SOLO

Há um mito de que nos telhados verdes a camada menos espessa de solo não comporta espécies de maior porte. Esse tipo de planta pode ser utilizado, desde que acompanhado da solução adequada. “Para o plantio de arbóreas/palmeiras devem ser feitos morrotes, ou as espécies precisam ser plantadas em cachepots dimensionados adequadamente para o desenvolvimento do seu sistema radicular”, explica a paisagista. A cova/cachepot tem de ser rica em composto orgânico e receber irrigação abundante nos primeiros meses.


Não é a quantidade de terra que define a qualidade do plantio, mas sim, a riqueza de nutrientes que o substrato apresenta
Ana Paula Magaldi

O solo usado em coberturas vegetais precisa ser próprio para lajes. Esse composto é mais concentrado em nutrientes, conseguindo fornecer a mesma quantidade de nitrogênio, fósforo e potássio – elementos básicos para crescimento de plantas – gerada pelo plantio direto no solo. “Não é a quantidade de terra que define a qualidade do plantio, mas sim, a riqueza de nutrientes que o substrato apresenta”, destaca Magaldi.

CLIMA REGIONAL

A região sempre deve ser analisada para que o bioma inserido não seja invasor ao bioma local. A integração deve ser natural, para não interferir na fauna da região. “Essa vegetação deve ser atrativa aos pássaros do local, por exemplo”, orienta.

MANUTENÇÃO

Para manter a saúde das plantas na cobertura verde, é essencial ter acompanhamento periódico assistido por equipe técnica capacitada. Isso porque se faz necessária a complementação de adubos e nutrientes dosados sob medida para cada vegetação, além da realização de podas corretivas. Essas intervenções devem ser avaliadas para que a copa muito densa não seja barreira para o vento, o que ocasionaria o tombamento da planta.

“Para complementar o telhado verde, uma dica interessante para adensamento da área é a utilização de jardins verticais em pontos de maior interesse no projeto”, finaliza Magaldi.

Leia também:
Brises verdes conferem conforto térmico e reduzem o ruído dos centros urbanos
Telhados verdes: uma floresta de vantagens
Muros verdes melhoram a qualidade do ar e oferecem conforto térmico a edificações

Colaboração técnica

engenheiro-civil-ilan-davidson-gotlieb
Ana Paula Magaldi – Paisagista que atua há quase 20 anos no mercado corporativo e residencial. É titular do Studio Ana Paula Magaldi Paisagismo, primeiro do Brasil a contar com o conceito de estúdio de arte para o paisagismo. O escritório conta com equipe qualificada de profissionais, frota e viveiros próprios, assegurando a qualidade e o cumprimento de cada etapa do projeto.