Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Como escolher entre pastilhas de porcelana, cerâmica ou vidro?

Com múltiplas aplicações e produzidas com diferentes matérias-primas, as pastilhas se diferenciam com relação à durabilidade, resistência e estética

Publicado em: 27/06/2022

Texto: Juliana Nakamura

foto de uma cozinha com pastilhas de vidro
Foto: Getty Images/iStockphoto

Utilizadas para o revestimento de áreas internas e externas, as pastilhas consistem em placas com até 5 x 5 cm, assentadas com argamassa e produzidas a partir de materiais diversos, principalmente vidro, porcelana e cerâmica.

Elemento muito tradicional na arquitetura brasileira, esse revestimento resiste aos modismos, seja pelo visual impactante que proporciona, seja por sua versatilidade. Vale lembrar que as pastilhas, produzidas com diferentes formatos e texturas, podem ser usadas para imprimir atmosfera moderna ou retrô, em cozinhas, banheiros e lavabos, piscinas e saunas e, até mesmo, em fachadas.

Pastilhas de vidro
Pastilhas cerâmicas
Pastilhas de porcelana

Pastilhas para revestimento de parede

Permitindo compor múltiplas paginações e combinações cromáticas, as pastilhas são bastante aproveitadas em detalhes ou em superfícies curvas, como paredes arredondadas e pilares. Isso se explica porque o material apresenta custo mais elevado e aplicação mais trabalhosa em comparação a porcelanatos e placas cerâmicas.

Uma dúvida que costuma acompanhar a especificação desse revestimento diz respeito às propriedades e diferenças entre as pastilhas de vidro, de porcelana e de cerâmica.

As peças de vidro se sobressaem pela beleza, uma vez que contam com um brilho que não desbota com o passar do tempo e exibem profundidade quando expostas à luz. Já as pastilhas cerâmicas se destacam pela homogeneidade superficial e pelo custo mais competitivo, em comparação ao revestimento de vidro.

Produzidas com acabamento natural ou esmaltado, as pastilhas de porcelana são fáceis de limpar e extremamente duráveis. Por isso mesmo, são muito utilizadas em fachadas, inclusive naquelas expostas à ação da maresia ou do sol.

Gisely Oliveira, fundadora da Staccato, explica que as pastilhas de porcelana e de cerâmica conferem resistência mecânica e superficial superiores, ao passo que as de vidro são mais vulneráveis à abrasão, não sendo indicadas para aplicações em pisos.

Pastilhas para piscinas

Além de um aspecto superficial superior e de cores mais vivas, as pastilhas de vidro apresentam baixíssima taxa de absorção de umidade (inferior à 0,05%). Por esse motivo, elas são aplicadas com sucesso em locais com presença de vapor e água, como saunas e piscinas. As pastilhas de cerâmica com taxa de absorção de umidade próximo a zero, assim como as de porcelana com índice de absorção entre 0,0 e 0,5% também são uma boa opção para essas áreas de lazer.

Mas independente da pastilha especificada, é fundamental a utilização de argamassa e de rejuntes aditivados e flexíveis apropriados para suportar pressão e água clorada. “Além disso, o trabalho de impermeabilização, anterior ao assentamento, precisa ser muito bem resolvido”, destaca Oliveira. “Quanto ao rejunte, em especial no caso dos tons azuis, é importante observar se o produto é inorgânico, para evitar o desbotamento provocado pela ação do cloro”, orienta ela.

Cuidados no assentamento de pastilhas

O assentamento de pastilhas acontece de forma muito parecida ao assentamento de placas cerâmicas. Contudo, por envolver peças delicadas, pequenas e de pouca espessura, é ainda mais importante dispor de obra especializada.

Um cuidado especial deve ser dado, por exemplo, ao espaçamento entre as folhas de pastilhas e à pressão aplicada sobre elas. “Diferenças de pressão podem levar a diferenças na altura entre as peças, prejudicando a regularidade do acabamento”, explica a arquiteta Bruna Santos.

A argamassa de ancoragem e o rejunte precisam ser escolhidos de acordo com a pastilha a ser assentada. Para melhor resultado estético, uma recomendação é empregar argamassa colante de cor mais próxima possível da cor do revestimento.

LEIA TAMBÉM
Revestimentos para áreas molhadas devem resistentes à umidade e ao mofo
Revestimentos garantem resistência e beleza a cubas e bancadas

Colaboração técnica

Gisely Oliveira – Psicóloga e publicitária, é fundadora da Staccato, que hoje conta com quatro lojas especializada em revestimentos para áreas internas e externas, louças, metais, banheiras e spas.
Bruna Santos – Arquiteta e urbanista com atuação focada em projetos residenciais e comerciais.