Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Conheça os principais tipos de selantes para impermeabilização

Fundamentais para garantir estanqueidade às juntas, os selantes podem ser à base de poliuretanos, silicones ou híbridos

Publicado em: 29/07/2020

Texto: Juliana Nakamura

selantes
Os selantes mais utilizados na construção civil são de poliuretano, de silicone e de acrílico (foto: Dimik_777/shutterstock)

Os selantes são materiais impermeabilizantes que atuam para vedar juntas em fachadas, esquadrias e pavimentos. Entre as principais exigências desse tipo de produto destacam-se bom comportamento mecânico, flexibilidade para absorver movimentações estruturais, resistência perante intempéries e durabilidade.

As juntas de dilatação ou de movimentação são fundamentais para atenuar a transferência de tensões, acomodar pequenas variações dimensionais e evitar a passagem de fluidos ou sólidos
José Miguel Morgado

“As juntas de dilatação ou de movimentação são fundamentais para atenuar a transferência de tensões, acomodar pequenas variações dimensionais e evitar a passagem de fluidos ou sólidos”, comenta José Miguel Morgado, diretor executivo do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI). Ele lembra que as juntas de dilatação das estruturas são executadas para permitir o alívio de alguns tipos de tensões estruturais. “Por causa da elevada trabalhabilidade, esses locais são pontos frequentes de patologias nas impermeabilizações, seja em função de erros executivos, seja por falhas de especificação”, alerta.

Selantes e mastiques à base de silicone

Selantes e mastiques à base de poliuretano e poliuréia

COMO ESCOLHER

Optar por um selante adequado às necessidades de cada junta é chave para assegurar bom desempenho e durabilidade à vedação. “O uso incorreto dos selantes pode ocasionar esborcinamento de juntas, falhas de aderência, falhas de coesão quando o selante racha no próprio corpo, além de juntas saltadas acima do revestimento, o que é muito prejudicial em pisos”, explica Dárcio Beluzi, responsável pelas linhas de impermeabilizantes e selantes na Sika Brasil. Outra patologia que pode ocorrer é a degradação da base quando se usa silicone acético em materiais porosos.

O uso incorreto dos selantes pode ocasionar esborcinamento de juntas, falhas de aderência, falhas de coesão quando o selante racha no próprio corpo, além de juntas saltadas acima do revestimento, o que é muito prejudicial em pisos
Dárcio Beluzi

Entre as soluções mais utilizadas na construção civil estão os selantes de poliuretano, de silicone e de acrílico. Mais recentemente, devido à forte demanda dos consumidores e pressão dos concorrentes, os selantes híbridos vêm ganhando espaço no mercado. "Os híbridos são constituídos por mais de uma base química, como por exemplo poliuretano e silicone, acrílico e silicone. A combinação dessas bases facilita o desenvolvimento de produtos com menor custo", revela Beluzi.

Os principais requisitos técnicos a serem considerados no momento de comparar diferentes tipos de selantes estão grau de dureza (shore), compatibilidade com o substrato, capacidade de movimentação do selante, módulo de elasticidade e as condições de limpeza.

SELANTES PARA FACHADAS

Para juntas em fachadas, é importante considerar que a base normalmente é composta por argamassa de emboço. O emboço é um material poroso, de base cimentícia e de menor resistência quando comparado ao concreto. Por isso, a junta sofre com uma alteração dimensional repentina. Além disso, a fachada está exposta aos raios solares e às chuvas. O selante usado nesse tipo de aplicação precisa, além da resistência ao UV, atender a uma rápida deformação reduzindo ao máximo o esforço aplicado à borda da junta.

Segundo Beluzi, para essas condições recomenda-se um selante de baixo módulo e dureza shore (aproximadamente 25), fator de forma de 2:1, boa resistência ao UV e capacidade de movimentação superior a 25%. Os produtos mais indicados para essa situação são os de base poliuretano puro. Os de silicone de cura neutra também podem ser uma boa opção por ter boa resistência aos raios UV.

“Para concreto aparente é possível trabalhar com um material de dureza shore um pouco mais elevada, por volta de 35, considerando a maior resistência do substrato", complementa o especialista da Sika.

SELANTES PARA ESQUADRIAS

As vedações de esquadrias são juntas de conexão que unem materiais diferentes. Para esses casos é importante que o selante tenha boa aderência em diversos materiais. Por se tratar de pequenas peças, os selantes híbridos à base de poliuretano são uma boa opção de aderência e vedação. Os silicones também são muito utilizados nesse tipo de aplicação.

Quando o assunto é selante, há dois grandes mitos que precisam ser esclarecidos. O primeiro deles é o de que quanto maior a dureza shore melhor o selante de poliuretano. “Isso é um erro, já que cada projeto exige uma dureza do selante. Para fachada por exemplo, um selante de dureza shore alta com certeza prejudicará a borda das juntas, as fortes tensões fazem a borda se quebrar, gerando um ponto de infiltração ao lado do selante”, diz Beluzi.

Ele conta que outro equívoco comum diz respeito ao selante de silicone. “Muitas vezes tem-se a falsa impressão de que o silicone acético é melhor, o que nem sempre é verdade. O silicone acético, como o próprio nome diz, contém ácido acético, substância que ataca o cimento. Portanto, ele é indicado apenas para uso com materiais não porosos, como vidro, cerâmica e metais”.

NORMA BRASILEIRA DE SELANTES

O Brasil ainda não possui normas nacionais que abordem o desempenho dos selantes. Mas o CB-022 Comitê Brasileiro de Impermeabilização acaba de finalizar a tradução das normas ISO 11.600, bem como das normas aderentes a ela. O trabalho será disponibilizado para consulta pública pela ABNT em 2020.

A ISO 11.600 especifica os tipos e classes de selantes usados na construção civil de acordo com suas aplicações e características de desempenho. Também fornece os requisitos e métodos de ensaios respectivos para as diferentes classes.

Leia também: 6 mitos e verdades sobre impermeabilização

Colaboração técnica

José Miguel Morgado – Engenheiro civil com MBA em varejo de material de construção pela FAAP e em negócios e inovação pela Barry University e pela University of Nevada. É diretor executivo do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI).
Dárcio Beluzi – Técnico em química, é arquiteto e urbanista, especialista em desenvolvimento de produtos. É responsável pelas linhas de impermeabilizantes e selantes na Sika Brasil.