Digitalização eleva a produtividade em processos de recursos humanos

Saiba como as ferramentas digitais vêm ajudando as empresas a contratar e gerir melhor seus colaboradores

Publicado em: 07/02/2023Atualizado em: 08/02/2023

Texto: Juliana Nakamura

pessoa mexendo em um notebook e um holograma de checklist sobre o caderno em frente
Foto: Thapana_Studio/Shutterstock)

A construção civil brasileira gradativamente avança em direção à maior digitalização de seus processos. Isso pode ser visto nos canteiros de obras, onde já não é raro encontrar engenheiros com tablets e smartphones conectados a plataformas de gestão, comunicação e controle. Também nos escritórios, mais precisamente nos departamentos de recursos humanos, uma transformação vem acontecendo com a introdução de ferramentas para auxiliar os gestores na seleção, contratação, administração e retenção de talentos.

Por que digitalizar o RH?

Em algumas construtoras, os tradicionais formulários impressos de abertura de vagas foram substituídos por sistemas digitais que atendem diferentes cargos, responsabilidades e faixas salariais. “Os gestores com autonomia para contratação abrem as vagas neste sistema que, após um fluxo de aprovação, faz a divulgação na nossa página de carreira, nas redes sociais da companhia e nos principais sites de vagas”, conta a gerente de recursos humanos da MPD Engenharia, Rúbia Moreira. Ela explica que o sistema auxilia a triagem de currículos, otimizando o tempo das recrutadoras. A construtora também adota testes online, como o fit cultural, capaz de apontar o grau de alinhamento comportamental dos candidatos à cultura da empresa.

Após a seleção, os processos de contratação também podem acontecer em meio digital, com uma página onde os profissionais podem fazer o upload de toda sua documentação. Com isso, além de reduzir o uso de papel, é possível diminuir extravios de documentos e os deslocamentos dos novos colaboradores ao escritório. “Estas ferramentas digitais ajudam a aumentar a produtividade, promovendo maior agilidade e assertividade em nossas contratações”, resume a gerente da MPD que admitiu, em 2022, cerca de 500 colaboradores.

Na Andrade Gutierrez, construtora que chegou a contratar mais de 3 mil colaboradores em um único mês, está em curso um plano para digitalizar toda a cadeia de valor do RH, desde a contratação até o desligamento do colaborador, passando pela gestão das pessoas. O objetivo, segundo André Medina, gerente de inovação, é ganhar agilidade e melhorar a gestão e a governança dos processos.

Ferramentas digitais oferecem apoio não somente para os processos de contratação, como também para desenvolvimento e retenção de talentos. Um exemplo são as plataformas de treinamento de ensino à distância que disponibilizam conteúdos e cursos rápidos de desenvolvimento técnico e comportamental. “Uma vantagem destes sistemas são os indicadores gerados. Por meio de relatórios é possível identificar o engajamento nos temas propostos e os colaboradores mais dedicados e comprometidos com o autodesenvolvimento”, destaca Moreira.

Desafios de implementação

Os processos de transformação digital exigem, por parte das empresas e das equipes, engajamento, planejamento, treinamento e determinação. “Há resistência em função do desconhecimento do novo processo, descrença quanto ao valor agregado e certo desânimo pelo fato de que o início de algo novo sempre coexiste com um processo antigo”, destaca Moreira. Para a gestora de RH, o maior desafio em uma jornada de implantação de ferramentas digitais está no engajamento dos times e na identificação das forças contrárias para minimizá-las e dos colaboradores que podem influenciar positivamente e apoiar as mudanças.

“Qualquer mudança no modo de fazer assusta em um primeiro momento. Por isso temos que ter a clareza dos benefícios da digitalização para cada um dos envolvidos no processo”, adiciona Medina. Segundo ele, uma vez que a digitalização comece a se disseminar na empresa, não há mais volta. “Os colaboradores se sentem mais empoderados, os gestores possuem melhores informações para tomadas de decisão e a empresa torna-se muito mais ágil, eficiente e eficaz”, conclui ele.

Leia também

Por que digitalizar o gerenciamento de obras? Confira quatro motivos
5 práticas para a contratação e retenção de profissionais da construção
Dispositivos vestíveis elevam segurança e produtividade da construção civil

Colaboração técnica

Rubia Moreira – Gestora de RH da MPD Engenharia e diretora-executiva do Instituto MPD. É graduada em letras (USP), psicologia (UNIP) e mestre em comportamento humano nas organizações pelo ISPA – Instituto Superior de Psicologia Aplicada de Lisboa/Portugal. 

André Medina — Gerente de Inovação na Andrade Gutierrez e gestor do programa de inovação aberta, Vetor AG.