Elementos autoportantes dispensam estruturas auxiliares para ficarem em pé

Escadas metálicas independentes, elevadores e até paredes de alvenaria podem ser autoportantes

Publicado em: 17/08/2016Atualizado em: 23/08/2016

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

elementos-autoportantes
Escadas metálicas de emergência que não estejam fixadas à construção podem ser chamadas de autoportantes (foto: blurAZ/Shutterstock.com)

Elementos construtivos autoportantes são aqueles que se suportam de forma independente, dispensando o auxílio de outras estruturas. “Para entender melhor o conceito de autoportante, podemos pensar no próprio corpo humano, que não precisa de nenhum apoio para ficar em pé. O mesmo pode acontecer com cadeiras, mesas ou até edifícios inteiros”, compara a engenheira Fabiana Carqueija Offredi Maia, diretora técnica da A5 Projetos e Consultoria em Engenharia.

Para entender melhor o conceito de autoportante, podemos pensar no próprio corpo humano, que não precisa de nenhum apoio para ficar em pé
Fabiana Maia

Em projetos de reformas ou ampliações, por exemplo, sistemas com estruturas autoportantes independentes apresentam a vantagem de não sobrecarregar a construção pré-existente. “Exemplo disso são as escadas de emergência externas. Quando executadas durante a ampliação de um edifício, podem contar com estrutura metálica autoportante, que em nada influenciará a estrutura do empreendimento”, explica a profissional. Por outro lado, não pode ser considerado autoportante o elevador que utiliza a estrutura do edifício para se fixar. “Mas se o equipamento for adquirido com estrutura própria e independente da edificação, passaria para a condição de autoportante”, exemplifica a profissional.

ALVENARIA ESTRUTURAL X ALVENARIA DE VEDAÇÃO

Uma confusão comum ocorre com as paredes de alvenaria, que não serão consideradas autoportantes se os blocos que a compõem apresentarem resistência insuficiente para suportar e transferir as cargas do edifício. Nesse caso, elas são chamadas de alvenaria de vedação e cumprem apenas a função de delimitar e isolar os ambientes. Geralmente são associadas a estruturas de concreto armado, que suportam e transferem as cargas para as fundações.

Entretanto, se os blocos atenderem à resistência mínima de norma, as paredes tornam-se capazes de suportar, além do peso próprio, os carregamentos usuais das edificações, sem a necessidade de pilares e vigas. Essa é a alvenaria estrutural ou alvenaria autoportante.

REFORÇOS ESTRUTURAIS

[Em projetos [de alvenaria estrutural], é recomendável atenção com reforços nas aberturas de janelas e portas
Fabiana Maia

Na execução de edificações a partir do zero, uma solução autoportante com alvenaria estrutural pode ser usada para garantir, simultaneamente, vedação e suporte de cargas. “Com isso, ocorrerá uma redução de custos, se comparado com o investimento exigido por outros sistemas”, destaca a engenheira. “Nesses projetos, é recomendável atenção com reforços nas aberturas de janelas e portas”, alerta. O uso das paredes autoportantes faz com que as fundações recebam cargas linearmente distribuídas, diferente de quando são projetados sistemas de pilares e vigas, em que as cargas chegam de forma pontual.

Os cálculos de dimensionamento de estruturas de concreto são regidos pela NBR 6118/2014 — Projeto de estruturas de concreto — Procedimento. Já as estruturas metálicas são balizadas pela NBR 8800/2008 – Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios. Por fim, a alvenaria estrutural segue as normas NBR 15961/2011 – Alvenaria estrutural — Blocos de concreto.

Leia também:
Alvenarias estrutural e de vedação: diferenças e vantagens
Qualidade no processo da alvenaria estrutural

Colaboração técnica

Fabiana Carqueija Offredi Maia – Formada em Engenharia Civil pela Universidade Católica do Salvador, possui também especialização em Cálculo de Estruturas de Concreto e Fundações pela Universidade Cidade de São Paulo. Atualmente, está cursando a segunda especialização, desta vez em Cálculo de Estruturas de Aço. Trabalhando com projeto há 22 anos, a profissional é diretora técnica da A5 Projetos e Consultoria em Engenharia. Já atuou como professora em diferentes universidades no Brasil. Tem projetos estruturais elaborados no Brasil e no exterior.