Paredes de concreto contribuem para rapidez e economia na obra

Sistema construtivo é indicado para empreendimentos com projetos padronizados, utilizados em construções com grande número de unidades

Publicado em: 08/01/2013Atualizado em: 22/10/2023

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Redação AECweb / e-Construmarket

A utilização do sistema Paredes de Concreto é recente no Brasil. As pesquisas em busca de tecnologias que trouxessem economia, velocidade e flexibilidade à Construção Civil começaram na década de 1990. Desde então, passou a ser difundido no país um sistema construtivo utilizado em Israel, baseado em paredes de concreto pré-moldadas no local da obra.
Para desenvolver, pesquisar e divulgar o novo sistema foi criado o Grupo Paredes de Concreto formado por representantes da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (ABESC), Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e do Instituto Brasileiro de Tela Soldada (IBTS).

Graças ao trabalho deste grupo, que reuniu entidades setoriais, órgãos de pesquisa e empresas, hoje as edificações construídas por esse sistema já contam com uma norma técnica específica, a ABNT NBR 16055:2012 - Parede de concreto moldada no local para a construção de edificações, em vigor desde o dia 10 de maio de 2012.

Esta norma abrange todos os edifícios, independente da planta, altura ou número de pavimentos, desde que construídos com paredes de concreto moldadas no local com fôrmas removíveis. E estabelece orientações específicas para prédios simplificados, de até cinco pavimentos.

CaracterÍsticas

O engenheiro Arcindo Vaquero y Mayor, consultor da ABESC, explica que as paredes de concreto são indicadas para empreendimentos que tenham alta repetitividade, o que exige padronização nos projetos que precisem ser construídos com rapidez, a exemplo dos conjuntos habitacionais, tanto verticais como horizontais. “É um sistema de produção em larga escala baseado na indústria automobilística e que depende de um projeto executivo bem definido, destinado à construção de, pelo menos, 500 unidades iguais em curto espaço de tempo”, afirma.

Essas paredes são construídas em fôrmas de alumínio, onde são colocadas as instalações elétrica e hidráulica, portas e janelas, deixando tudo pronto para a aplicação do concreto. Não são admitidas tubulações horizontais, exceto trechos de até um terço do comprimento da parede, não ultrapassando 1 m, e desde que este trecho não seja estrutural. Em nenhuma hipótese são permitidas tubulações verticais ou horizontais nos encontros de paredes. Os projetos de fôrmas, escoramentos, detalhes embutidos ou vazados e os projetos de instalações devem ser validados pelo projetista de estrutura.

De acordo com orientações da ABESC, a concretagem de paredes e lajes deve ser simultânea ou ter especificação de ligação armada entre esses elementos. A espessura mínima das paredes com altura de até 3 m deve ser de 10 cm, sendo permitido utilizar espessura de 8 cm apenas nas paredes internas de edifícios de até dois pavimentos.

Após 14 horas do recebimento do concreto, a parede está pronta e a fôrma pode ser desmontada e levada para outro local, onde será usada para a construção de outro imóvel. “Estas fôrmas podem ser utilizadas até 1200 vezes cada uma. Se a construtora tiver um conjunto de 10 fôrmas, terá condições de construir a estrutura de dez casas por dia, reduzindo o tempo de entrega da obra”, afirma o engenheiro.

Concretagem

O preenchimento das fôrmas é feito com CAA - concreto autoadensável -, cuja especificação consta da norma ABNT NBR 15823-1- 2010, que estabelece os requisitos para classificação, controle e aceitação do concreto autoadensável no estado fresco. Também define limites para as classes de autoadensibilidade e prescreve os ensaios para verificação de suas propriedades.

O concreto autoadensável pode ser moldado em fôrmas preenchendo cada espaço vazio através de seu peso próprio, não necessitando de qualquer tecnologia de adensamento ou vibração externa. O  CAA apresenta grande fluidez e, por ser muito plástico, pode ser empregado sem perda de homogeneidade. A autoadensabilidade do concreto fresco permite preencher os espaços vazios, envolvendo as barras de aço e outros obstáculos. Isso ocorre pela ação da força gravitacional, mantendo a homogeneidade.

A formulação de concretos fluidos e resistentes à segregação é uma evolução tecnológica, fruto da pesquisa aplicada ao uso de aditivos plastificantes e modificadores de viscosidade. O concreto autoadensável tem duas propriedades fundamentais: fluidez e estabilidade. A fluidez é a capacidade de escoar, preenchendo todos os espaços e a estabilidade, é a capacidade de se manter coeso e homogêneo após ter fluído ao longo das fôrmas.

Vantagens 

O engenheiro Arcindo Vaquero y Mayor afirma que o sistema construtivo Paredes de Concreto é mais econômico, porque desperdiça menos material e utiliza mão de obra reduzida. “É um processo veloz, durável, prático e confortável para os usuários, pois as paredes de concreto oferecem bom desempenho em termos de isolamento térmico e acústico”. Além da redução do prazo de execução da obra, o sistema elimina as patologias da alvenaria, tem custos menores mantendo a qualidade, melhora as condições de segurança na obra, elimina o processo de assentamento de blocos e a necessidade de revestimentos, otimizando a mão de obra.

Paredes de concreto – passo a passo 

1 - O engenheiro Arcindo Vaquero y Mayor explica que, para construir com paredes de concreto, o primeiro passo é fazer o radier, fundação que recebe telas metálicas e parte das tubulações da habitação que serão conectadas à rede de água e esgoto.

2 - Preparação dos painéis metálicos para serem montados, com utilização de produto desmoldante.

3 - Montagem dos painéis internos das paredes com utilização de treliças e espaçadores. As aberturas para portas e janelas deixam folga de 1 cm para instalação das esquadrias.

4 – Os painéis recebem pinos que determinam a espessura das paredes e o alinhamento dos painéis internos e externos das fôrmas. Nesses pinos, após o posicionamento dos painéis, são instaladas réguas de alinhamento.

5 - Após o fechamento da fôrma, sua base é vedada com argamassa para evitar o vazamento da nata do concreto.

6 – Executa-se o bombeamento do concreto para dentro das fôrmas. Após 14 horas, é possível iniciar a desmontagem das fôrmas.

7 – Depois de prontas, as paredes são preparadas para o acabamento, que pode ser de massa corrida, revestimento cerâmico, textura rolada ou grafiato.


COLABOROU PARA ESTA MATÉRIA

Arcindo Vaquero y Mayor – Engenheiro civil formado na Universidade Mackenzie, com cursos de aperfeiçoamento nos Estados Unidos e na Suíça. Consultor na área de tecnologia do concreto dosado em central e meio ambiente, desenvolve trabalhos na Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (ABESC) e na Federación Ibero Americana de Hormigón Premezclado (FIPH) como Vice-presidente Técnico. É responsável por mais de 15 milhões de m³ de concretos aplicados.