Projeto de alvenaria racionalizada é solução para evitar perdas

Desperdício de blocos e tijolos pode chegar a 50% quando boas práticas não são seguidas. Saiba como evitar esse problema e reduzir esse número para 2%

Publicado em: 06/02/2020Atualizado em: 09/03/2021

Texto: Juliana Nakamura

alvenaria racionalizada
A alvenaria racionalizada tem como uma das suas principais características a utilização de blocos de melhor qualidade em comparação a alvenaria tradicional (foto: Divulgação/Anicer)

Solução de uso consagrado no Brasil, a alvenaria de vedação é um subsistema de grande impacto para o desempenho das edificações, influenciando aspectos relativos ao conforto, à higiene, à saúde e à segurança. Ao mesmo tempo, trata-se de uma solução construtiva que pode impor índices de perdas de materiais consideráveis, além de baixa produtividade.

Para se ter uma ideia, as perdas de tijolos e de blocos podem atingir números da ordem de 25% a 50%. “Mas com a efetiva implantação de um projeto para produção da alvenaria racionalizada, esses números reduzem drasticamente para algo em torno de 2%”, comenta o engenheiro Alberto Casado Lordsleem Júnior, diretor do Politech e consultor na área de vedações.

Blocos de concreto para vedações

Blocos de concreto estruturais

Blocos de concreto celular para vedações

Blocos de concreto celular estruturais

Blocos de concreto aparentes

Blocos cerâmicos estruturais

Blocos cerâmicos para vedações

PAREDE SEM DESPERDÍCIO

A alvenaria racionalizada se baseia em um tripé formado por material adequado, mão de obra qualificada e um bom projeto. Este último deve ser concebido no contexto da coordenação dos projetos, funcionando como um elemento de compatibilização entre arquitetura, estrutura e todas as instalações.

Alberto Casado explica que o projeto de alvenaria racionalizada permite que as vedações sejam analisadas sob o ponto de vista do cumprimento dos requisitos da ABNT NBR 15.575 - Desempenho de edificações habitacionais. Além disso, ele contempla a discussão de não conformidades e soluções de projetos, como:

• Definição de altura livre deixada pela estrutura para fechamento com alvenaria
• Tamanhos das bonecas de portas
• Posicionamento dos pontos elétricos e hidrossanitários
• Necessidade de reforços (vergas, contravergas, pilaretes)
• Shafts
• Furos em vigas
• Adequação do vão das esquadrias, entre outros aspectos

Em contraponto à alvenaria tradicional, a alvenaria racionalizada tem como principais características:

• Utilização de blocos de melhor qualidade, preferencialmente com furos na vertical para facilitar a passagem de instalações
• Planejamento prévio
• Projeto da produção
• Treinamento da mão de obra
• Utilização de família de blocos com blocos compensadores para evitar a quebra de blocos na execução
• Redução drástica do desperdício de materiais
• Melhoria nas condições de limpeza e organização do canteiro de obras

Leia também:
Patologias da alvenaria: como evitar
Conheça 5 problemas gerenciais com os quais os engenheiros devem lidar nas obras
5 desafios comuns na gestão da qualidade na construção civil

PROJETO EXECUTIVO

Em um contexto que priorize a produção sem desperdícios, é importante que o projeto executivo de alvenaria contenha uma série de desenhos e especificações. Entre eles é possível destacar:

• Planta de numeração das paredes
• Planta de primeira e segunda fiadas
• Locação da primeira fiada
• Paginação ou elevação de cada parede
• Definição quanto ao uso de vergas e contravergas
• Especificação dos componentes da alvenaria: blocos e dosagem da argamassa de assentamento
• Características das juntas entre blocos e na ligação estrutura/alvenaria
• Detalhamento das ligações alvenaria-estrutura

O projeto auxilia no consumo justo e adequado, porém ações devem ser planejadas e implementadas para evitar as perdas em cada uma das etapas
Alberto Casado Lordsleem Júnior

O engenheiro Alberto Casado explica que as perdas de materiais costumam ocorrer em todas as fases do processo de execução das alvenarias, seja no recebimento, no armazenamento, no transporte e durante a utilização. “O projeto auxilia no consumo justo e adequado, porém ações devem ser planejadas e implementadas para evitar as perdas em cada uma das etapas”, comenta o engenheiro.

Ele cita como exemplos de boas práticas a definição de itens de verificação e tolerâncias no recebimento, orientação na seleção de equipamentos de transporte horizontal e vertical, além do estabelecimento de regras de armazenamento.

Antes de tudo, é necessário selecionar um fornecedor qualificado, que participe de programas setoriais da qualidade
Alberto Casado Lordsleem Júnior

O engenheiro cita, também, alguns cuidados importantes na hora de escolher e receber os blocos cerâmicos ou de concreto visando a redução de desperdícios. “Antes de tudo, é necessário selecionar um fornecedor qualificado, que participe de programas setoriais da qualidade. Já no recebimento dos blocos, é fundamental a verificação das características geométricas, físicas e mecânicas dos componentes”, cita Casado. Ele lembra que não se pode negligenciar, também, a importância da argamassa de assentamento, cujo desperdício pode ser tão ou mais elevado que o de blocos.

Baixe agora nosso e-Book e conheça “8 passos para aumentar a eficiência das equipes e reduzir perdas nas obras”.

Colaboração técnica

Alberto Casado Lordsleem Júnior – Engenheiro civil com mestrado, doutorado e pós-doutorado em Engenharia de Construção civil e urbana pela Escola Politécnica da USP. Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil da Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco e coordenador do Politech, que atua no desenvolvimento de soluções de projeto e em assessoria de inovação para as vedações. É autor do livro “Execução e inspeção de alvenaria racionalizada”, publicado pela Editora O Nome da Rosa.